<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sobre coisas que não entendo - 25/10/2006

E tmb não sei.

O que, logicamente, me dá aval pra falar uma merda gigantesca. Mas é um risco que tenho que correr sempre que abro esta tela de edição.

Filhos...

Dia desses foi aniversário do programa da Xuxa, e eu com isso? Nada, mas é que... bem, passou na TV sabe?

Alias, monopolizou a Globo. E embora eu não assista mais TV diariamente (internet dominou), às vezes eu ainda vejo, às vezes sim, a Globo sim...

E lá está o ultimo quadro em que ela fala da filha de nome estranho. E solta:

"Ela foi o meu presente, com ela nunca mais vou me sentir sozinha"

(...)

Nunca tive filhos.

Nem sei se vou ter.

Deve ser uma experiência e tanto, não duvido...

Mas... presente?

Será que ela pensa que a filha dela é um bibelô? Ou um bichinho de estimação?

Tá, tô exagerando, ela só quis demonstrar como ama a menina, porém creio que as palavras foram mal utilizadas. Tipo, conheço casos de filhos que tiveram a vida planejada. E posso dizer: em 90% dos casos o plano vai pro brejo.

São pessoas. Humanos, por conseguinte, milhares e milhares de universos dentro de uma forma bípede. Como planejar isso? Como planejar uma vida?

Ou ainda: Como considera-los com um objetivo especifico que (ó surpresa!) coincidentemente é de puro interesse dos pais?

O que Xaxa diria quando visse que a mãe dela só a gerou para acabar com a sua solidão? Humm....

Complexo? Pano pra analista fazer fortuna em cima da riquinha? Talvez...

Só sei que não entendo essas mulheres. É... filho deve ser mesmo uma benção, afinal de contas é quando o ser humano se iguala a Deus e ao seu poder de gerar vida.

Mas isso acaba a partir do momento em que o ser adquire consciência. Os especialistas dizem que isso ocorre por volta dos 5 anos de idade. Às vezes até antes.

Daí pra frente, pode construir a redoma mais linda e resistente que vc possa pagar. Não tem jeito, o velho mundo irá vir de encontro àquela vida e tomará para si o que lhe pertence.

Vc pode no máximo prepara-lo e definir mais ou menos como ele vai enfrentar o velho cão, no entanto, os seus ensinamentos nunca serão levados ao pé da letra.

Como um mestre que passa a doutrina para o sucessor, o filho aprenderá com o que vc passar pra ele, mas utilizará esse ensinamento da maneira que lhe parecer melhor. Pois acima de tudo ele uno. Todos são.

Acredito que isso aconteça pq todos os pais deixam parte de si nos filhos. Parte esta que ele não tem mais controle, mas não por isso deixa de continuar a amá-la.

No fim até penso que ambos crescem ao mesmo tempo. Enquanto um adquire consciência de ser humano, outro aprende a amadurecer da maneira mais estranha, bela e contraditória à natureza que existe. Dando sem esperar nada em troca.

E é mais ou menos isso o que chamam de Amor. Não foi assim que minha mãe me explicou, mas foi assim que eu entendi.

Que dirá então meu filho? Ou neto?

Só eles responderão...

Marcadores:

Selph - 5:20 PM

0 Comentários

furadas - 23/10/2006

Em Manaus as festas feitas pra "agitar", aquelas que celebram datas estrangeiras e bocas livres em geral, quase sempre são furadas.

O início é bem típico, tudo começa com um papo que rola na boca dos seus amigos. Vc escuta apenas resquícios, partes soltas de um todo. Dentre elas, algumas chamam a atenção. Por exemplo: "... e bebida liberada!".

Aí vc resolve apurar os fatos e fica sabendo que fulano de tal se juntou com beltrano das tantas e irão promover uma festa. O tema não interessa, porém, como estou me baseando em fatos reais, digamos que seja uma festa do Dia das Bruxas.

Então vc, como é novato nesse tipo de coisa, já imagina aquele ambiente super dark, com fantasias sinistras e um som no estilo Type O Negative, afinal de contas é dia das bruxas então teria tudo a ver. Ledo engano, a começar pelo atraente merchandising da bebida liberada.

Geralmente a expressão "bebida liberada", se refere à cerveja. Que por sinal, foi comprada quase vencida e pela metade do preço.

E é aí que se revela a esperteza de quem organizou. A maioria do publico não está nem aí se a cerveja está "choca" ou até mesmo quente. A simples menção "liberada" já age no inconsciente dos baladeiros (na maioria adolescente) e faz a coisa toda "valer a pena".

Pra eles lógico, ainda mais quando não percebem que com o preço que pagaram pra entrar, que SEMPRE é acima de 25 mangos, eles poderiam beber cerva em outro local até vomitar as tripas...

Não seria melhor perguntar se os DESTILADOS vão estar liberados tmb? Claro que não. Isso seria pedir demais. Destilados não vencem, logo, não podem ser comprados a preço de banana.

Quanto ao som:

Como disse acima, vc até vai na fé, esperando achar alguma coisa diferente/bizarra/dark/tenebrosa que lembre o Halloween e acaba descobrindo, já no folder, que as mesmas bandas batidas da noite da cidade irão estar lá.

Mesmas bandas;

Mesmo repertório;

Mesmo esquema: uma de roque, uma de reggae (?!), uma de roque e uma dita "alternativa", que por sinal só irá tocar no finalzinho quando ninguém mais vai estar sóbrio pra prestar atenção. Tá vai... é claro que tmb haverá um DJ tocando a mesma coisa da Jovem Pan.

Quanto ao local:

A escolha de um casarão sempre soa bem, já que, em se tratando de festas, ambiente é tudo. Mas não fique achando que vc irá se esbaldar dentro da casa, ou porventura se dar bem dentro de algum banheiro luxuoso. Via de regra, só liberam a área externa.

Ou seja, qualquer descampado vagabundo que um dia já foi um jardim ou garagem.

Além de tudo, criam uma espécie de "balconzão" pra pedir as bebidas. Coisa que simplesmente não funciona na prática, uma vez que, no balcão a fila é praticamente inexistente. E como a molecada vai estar ávida pra "beber de graça", já se percebe que conseguir um drink será dureza.



Bebida "choca", quente e vencida. Excremento.

Bandas batidas na cena local, mas que por causa do prestigio estarão lá. Bosta.

Local sem imaginação, sem estrutura, lotado de pessoas que não vão fantasiadas (no máximo o clichezento chapéu de bruxa) por medo de pagar mico. Mal sabem que só o fato de ir nessa furada já é um tremendo mico. Fezes.

Preço caro. E aumentando com a proximidade da data da festa. É pq vai bombar sabe? Merda.



Mas... como toda festa é feita pelo tipo de pessoa com quem vc vai, é claro que esses detalhes podem passar facilmente batidos. Entretanto, pra mim eles se tornam cada vez mais óbvios.

E não é por falta de amigos ou companhias legais, mas sim por cada vez mais eu começar a dar valor a qualidade do produto. E a diversidade e criatividade do mesmo.

E isso não se respalda com fama, quantidade de pessoas que irão ou falta de local pra ir. Já que, se é pra entrar numa furada, o melhor será ficar em casa. A não ser que vc vá de graça. Hummm, às vezes nem isso compensa.

Selph - 3:20 AM

0 Comentários

3,2,1... - 17/10/2006

...e finito!

Pessoas que aparecem de uma hora pra outra e deixam a sua contribuição.
Vc voltará a vê-las?
Quem sabe?


Mesmo que vc acredite em livre arbítrio.


Ou em destino...



...um não anula o outro.



E por mais que as conseqüências de tudo sempre sejam produtos das decisões, no final das contas o que vale mesmo é a vontade. E esta sabe ficar guardada, só esperando pra entrar em cena quando for pra ganhar. Ou perder, já que tudo envolve risco.



E só o risco é que permite, a cada minuto que passa, virar a mesa.

Profundamente na alma


ou


...perdido num céu de baunilha.

Selph - 1:40 AM

0 Comentários

humano, demasiadamente humano - 11/10/2006

A coisa mais legal dos seiscentos e não sei quantos aforismos de Nietzsche, é descobrir que o cara era tão ou mais macaco do que os muitos gênios que o antecederam...

Humanos e macacos. A semelhança é apenas visual, não se engane.

(de volta)

Selph - 4:30 PM

0 Comentários