<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sobre coisas que não entendo

E tmb não sei.

O que, logicamente, me dá aval pra falar uma merda gigantesca. Mas é um risco que tenho que correr sempre que abro esta tela de edição.

Filhos...

Dia desses foi aniversário do programa da Xuxa, e eu com isso? Nada, mas é que... bem, passou na TV sabe?

Alias, monopolizou a Globo. E embora eu não assista mais TV diariamente (internet dominou), às vezes eu ainda vejo, às vezes sim, a Globo sim...

E lá está o ultimo quadro em que ela fala da filha de nome estranho. E solta:

"Ela foi o meu presente, com ela nunca mais vou me sentir sozinha"

(...)

Nunca tive filhos.

Nem sei se vou ter.

Deve ser uma experiência e tanto, não duvido...

Mas... presente?

Será que ela pensa que a filha dela é um bibelô? Ou um bichinho de estimação?

Tá, tô exagerando, ela só quis demonstrar como ama a menina, porém creio que as palavras foram mal utilizadas. Tipo, conheço casos de filhos que tiveram a vida planejada. E posso dizer: em 90% dos casos o plano vai pro brejo.

São pessoas. Humanos, por conseguinte, milhares e milhares de universos dentro de uma forma bípede. Como planejar isso? Como planejar uma vida?

Ou ainda: Como considera-los com um objetivo especifico que (ó surpresa!) coincidentemente é de puro interesse dos pais?

O que Xaxa diria quando visse que a mãe dela só a gerou para acabar com a sua solidão? Humm....

Complexo? Pano pra analista fazer fortuna em cima da riquinha? Talvez...

Só sei que não entendo essas mulheres. É... filho deve ser mesmo uma benção, afinal de contas é quando o ser humano se iguala a Deus e ao seu poder de gerar vida.

Mas isso acaba a partir do momento em que o ser adquire consciência. Os especialistas dizem que isso ocorre por volta dos 5 anos de idade. Às vezes até antes.

Daí pra frente, pode construir a redoma mais linda e resistente que vc possa pagar. Não tem jeito, o velho mundo irá vir de encontro àquela vida e tomará para si o que lhe pertence.

Vc pode no máximo prepara-lo e definir mais ou menos como ele vai enfrentar o velho cão, no entanto, os seus ensinamentos nunca serão levados ao pé da letra.

Como um mestre que passa a doutrina para o sucessor, o filho aprenderá com o que vc passar pra ele, mas utilizará esse ensinamento da maneira que lhe parecer melhor. Pois acima de tudo ele uno. Todos são.

Acredito que isso aconteça pq todos os pais deixam parte de si nos filhos. Parte esta que ele não tem mais controle, mas não por isso deixa de continuar a amá-la.

No fim até penso que ambos crescem ao mesmo tempo. Enquanto um adquire consciência de ser humano, outro aprende a amadurecer da maneira mais estranha, bela e contraditória à natureza que existe. Dando sem esperar nada em troca.

E é mais ou menos isso o que chamam de Amor. Não foi assim que minha mãe me explicou, mas foi assim que eu entendi.

Que dirá então meu filho? Ou neto?

Só eles responderão...

Marcadores:

Selph - 5:20 PM