<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

\ | / - 21/03/2006

H I A T U S



talvez eu volte
um dia eu volto
quem sabe...

Selph - 11:43 AM

0 Comentários

morpheu_final - 17/03/2006


















~~~



.um sonho dentro de outro


Começa com uma noite fria e sem nexo. Um cordão de prata começa a me puxar de cima.

Ora, o que seria isso?

A pressão que ele exerce é suave, quase como se eu não tivesse peso.

Porém, essa afirmativa cai por terra quando de repente o cordão se rompe.

Estranhamente, esse momento de entrega e ida foi substituído por outro de desespero. Cair nunca teve um significado tão literal...

No entanto, tudo o que origina uma queda tem lá os seus motivos.

E o principal deles é que talvez eu não compreenda nunca o porquê viver uma fantasia dentro da outra.



.começo do fim


Acordo.

Dúvidas e mais dúvidas.

Teria sido só um sonho? Um lapso? Uma visão?

A TV continua ligada... o sleep deve ter falhado

Ah, o que importa? A melhor coisa é ir tomar um ar e refrescar as idéias.

(gozado, nunca fui de sair à noite pra tomar "um ar", mas enfim...)

A cidade está diferente. Esta não é a frente de minha casa e nem a minha rua, mas pq continuo achando tudo tão familiar?

A noite continua fria.

Uma névoa me envolve. Estranho, nevoeiros não são comuns nesta época do ano. A não ser que eu esteja em Londres...

E definitivamente não estou em Londres e esse ar estranho que me rodeia não é uma névoa. Ela começou fina e tímida, mas aos poucos foi ganhando força. Agora está compacta!

Quase como um escudo. Ou prisão...



.meio do fim


...melhor não dar atenção a ela. É inócua. É apenas... ar.

Continuar andando. Até dar sono.

Humm, dois conhecidos. O que será que estão fazendo a esta hora da madrugada na rua?

"Ei, e aí?"

"Ouw... tudo bem?"

"Pq não respondem?"

...

Foram embora. E nem me notaram. Talvez não quisessem dividir o assunto comigo. Melhor assim, nunca fui com a cara deles mesmo. Além do mais já está na hora de voltar pra casa e recuperar o resto da noite.



.fim


Cadê a minha sala?

Cadê os móveis?

Cadê o quadro?

E o que essa TV tá fazendo ligada aí? Que eu saiba não tenho TV na sala de estar.

Rá, e pelo que vejo essa tmb não tem sleep. Melhor desliga-la.

Interferência. Deve ser estática. Acabei de chegar da rua e...

?

Pegou!

Eu? Peraí! Meu quarto?

Caindo...

...em cima de mim mesmo?

Agora sou apenas um de novo. Não, a imagem tá rareando.

Droga. Desligou.

Mas que diabos quer dizer aquela imagem? Aquilo foi apenas... um sonho.

Mas uma voz em minha mente diz: "Nunca é apenas um sonho". E o dono da voz é alto, tem a pele pálida e os cabelos no estilo do vocalista do The Cure.

Pelo que lembrava da imagem (ou do sonho, tanto faz) eu ainda tinha o tal cordão prata e, putz, ainda tenho.

Não foi um sonho. E se foi ainda não acabou.



.despertar


A porta de grade se abre como que mostrando uma repentina saída.

Saio.

Não existe mais frente de casa.

Nem rua.

Nem mesmo cidade.

O que há ali na frente é apenas um gigantesco nada. Ausência. Inicio.

Não. Tem algo mais...

Tem que ter!

Quanto mais me aproximo da porta, mais as imagens ficam nítidas.

Primeiro um borrão. Depois uma silhueta. Depois uma vista superior.

Depois, apenas eu. Mas eu não sou o principal aqui. Existe alguma coisa além.

(Não sinto nada, apenas avanço. Mesmo que não tenha notado na hora, percebo agora que já atravessei a porta de grade há quilômetros atrás).

Aproximando.

O cordão! Sim, ele era a tônica de tudo isto. Ele foi o principal elemento do meu sonho. Ou do eu sonho que eu pensava não ser sonho, sei lá!

Está roto, como se tivesse arrebentado. Será que fui eu?

Serei eu quem o estava puxando?

Ele está sangrando na ruptura. Não, não é sangue! São pontos brancos pequeninos que piscam igual sangue. Parece que estão em guerra, ou então se assemelham uma TV com interferência.

(à medida que as imagens avançam mais, sinto como se estivesse entrando em um invólucro feito de carne e sangue).

E é. Até ela se apagar e eu despertar de vez.


.Boa noite.


~~~

Selph - 7:28 PM

0 Comentários

amiguinho - 13/03/2006



Alguém lembra desse carinha?

Sim, era um desenho. Ou melhor, um desenho-filme já que apenas o personagem principal era desenhado, o resto eram atores de carne e osso.

Pumuckel era um menino doidinho (na verdade, um pequeno duende peralta) com cabelo vermelho espetado e calça pula-brejo. Além de morar numa caixa de fósforos

Sim, era direcionado para o publico infantil.

Mas não, a sua origem não era infantil.

Esse seriado alemão conta a estória de um velhinho que morava na sua loja de artesanato e como se sentia muito só, acabou dando vida a essa figura de cabelos vermelhos que morava em sua mente.

Ou seja, um produto da solidão de um senhor que no fim da vida tem como companhia apenas um lapso de sua própria imaginação.

Soa amargo? Talvez, mas depois de uma certa idade as pessoas se apegam mais as coisas simples.

E o seriado mostrou bem isso, tanto é, que depois de um tempo, Pumuckel pula do inconsciente do velhinho e vai pro mundo real.

O que parece é que a fé que o senhor tinha nele era tão grande que ele se tornou real.

E apronta todas com os clientes da loja de artesanato dele.

É..


Uma pena que isso seja apenas ficção.

Coisas assim me fazem lembrar de como o meu falecido avô gostava de contar suas estórias sobre pescarias, caçadas e coisas do mato. Pena que tão poucos se dispunham a ouvir...

Talvez ele tmb tivesse um amigo imaginário. Mas na verdade o que ele precisava mesmo era de mais contato com pessoas de carne e osso.

E eu fico aqui, imaginando quantos pumuckeis devam existir por aí...

Selph - 4:10 PM

0 Comentários

diga-me - 10/03/2006

"Que el mundo fue y será una porqueria, ya lo sé...
(¡En el quinientos seis y en el dos mil también!)" *



Nós...



Evoluímos de amebas vindas do mar, até bípedes racionais. E esse racionais vai cru mesmo, sem aspas.

Sim, pq a pior maldade é aquela que foi planejada. Mesmo que a ignorância seja um tipo bastante dissimulado de maldade...

Uma vez escutei dizer que não é lá muito inteligente colocar sua vida nas mãos de outros. Seja governo, religião ou qualquer outro sistema que arrebanhe milhões. Ideologias inclusas.

O ser humano é passível de falha, como ela bem lembrou aqui, por isso, e somente por isso, sempre desconfio da necessidade de se obter um patamar de perfeição.

Não é pessimismo, mas... pra que atingir a perfeição se vc ainda não tem nem o aceitável? O povo brasileiro que o diga.



Tipo, um leproso se preocupar apenas com a roupa que vai vestir...

No entanto, procurar tirar o melhor de cada manifestação do gênero humano me parece o mais prudente.

E talvez aí resida a malícia de se viver no mundo hipócrita de hj. Guardar o bom apenas pra quem mereça e trabalhar com variáveis disponíveis e não com utopias distantes.

A matéria dos sonhos mudou, não que isso a tenha tornado menos bela ou espetacular.

No mais, discordo um tanto (não de todo) de Enrique Santos Discépolo, o autor do tango acima. Visar sempre só o lado ruim me parece muito bom na hora da revolta, mas muito "muleta" pra se sustentar durante toda a vida.





"Que o mundo foi e será uma porcaria já sei...
(No quinhentos e seis e no dois mil também!)"


* Cambalache - Enrique Santos Discépolo (1935)

Selph - 1:30 AM

0 Comentários

xx - 08/03/2006

.8 de março.


Hoje é o seu dia declarado, mas em pensamento, todos os dias são seus.

Dias em que reverencio...



a força expressada em um olhar








o aconchego materno ou sensual











o brilho exótico de um sorriso











a magia entrelaçada nas pernas









o lado infantil de uma hora...










...e sério e respeitoso de outra















Mas acima de tudo, reverencio o fato de vc ter o lado emocional muito mais desenvolvido que nós.


Pois, se existe algo que aproxime mais o ser humano do mistério sobre a Criação de tudo, esse lado vc conhece bem...



...além de saber dividi-lo conosco.


Mulher,

Agradeço por vc existir. Por todas vcs existirem.

Selph - 1:24 PM

0 Comentários

ourobolos 2 (e a serpente engole o rabo...) - 06/03/2006

Este é um escrito muito pessoal.
Se vc não gosta de ler coisas íntimas
demais e que não contribuem em nada
pra vc, pare aqui e feche a janela



Vc diz que Acabou...

...será que vc quis assim?

Desconfio que não.

Não me isento de culpa. Eu a tive. E em diversos graus.

E sempre sob a mesma ótica: distância.

Mas a distância que me separava desta vez era a de terra e não a de ausência de sentimentos. Vc não acredita mais em mim, mas eu insisto: eles existiram.

E existem.

E depois de tudo o que aconteceu, agora tenho mais certeza do que antes.

Sei que vc talvez não queira ler isto. Sei que soará redundante ou até doloroso...

...mas eu preciso dizer mais uma vez que:

- vc tem essa luz

- que atravessa a muralha que vc mesma criou

- e que me seduziu. E pode seduzir qualquer um

- o sorriso mais lindo

- os olhos mais enigmáticos

- as mãos mais calorosas

- o corpo mais aconchegante

- e o sentimento mais puro e bruto. Igual a um diamante não lapidado

No entanto, nada disso teria sentido ou valor se vc não soubesse. E eu quero que vc saiba.

- te amo.










Talvez eu não mereça ser amado. Não, não é drama barato. Cheguei a essa conclusão ontem. Talvez eu não mereça tal sentimento pelo fator mais simples que existe: eu não consigo dar as pessoas que merecem, o retorno desejado por elas.










E isso... acaba comigo.










Não te culpo por vc não querer mais. Jamais faria isso.

Sua proposta era bem simples: Vc queria alguém que te desse retorno no mesmo nível que vc achasse ideal.

E eu não fui essa pessoa.

O que eu tinha pra te dar em determinado momento da existência não chegou pra vc. E talvez nunca tenha chegado.

Os medos, as inseguranças, o futuro, tudo cobrou seu fardo novamente.

E lógico, com força total.

Parecia que não adiantava mais eu te dizer as coisas mais sinceras que se passavam comigo naquele momento. Pois, no primeiro deslize meu, tudo ia por água abaixo. Sim, eu errei.

E o meu erro foi o de achar que vc estava satisfeita. O meu erro foi pensar que com o que eu te dava eu poderia preencher a lacuna que existe em vc.

Eu pensei que sim. Vc provou que não.

Vc ganhou. Vc tem razão. É...

Perdão por não ser o sonho que vc imaginou. Eu sou o Selph, feliz ou infelizmente. Por enquanto é infelizmente.

E eu não sei até quando isso vai durar. Mas não se preocupe, caras como eu não duram muito. Tá cheio de exemplos por aí.

Eu sempre soube que tinha algum motivo pra ser assim e isso é sinal de que eu não dure muito mesmo...

[Que irônico. Provar dos dois extremos de um sentimento logo na primeira vez.]

Sinceramente, não sei se existem leis pra essas coisas.

Adianta agora dizer que eu me entreguei? Adianta?

Vc acreditaria?

.
.
.
.
.
.
.
.

.vc foi a coisa mais especial que me aconteceu.

.
.
.
.
.
.
.
.

.mesmo que vc não acredite nisso.

.
.
.
.
.
.
.
.

.continuo te amando.

.
.
.
.
.
.
.
.

.Ban.

.
.
.
.
.
.
.
.

Eu sei que é redundância das redundâncias dizer que tudo tem seu fim...

Mas pqna... nós merecíamos um melhor. Mesmo.

e merecemos.

...

...que ninguém me peça pra ficar bem,
não desta vez.

Selph - 6:40 AM

0 Comentários

¬¬ - 03/03/2006

certas pessoas ficam simpáticas sendo extremamente apáticas.







deve dar menos trabalho...

Selph - 5:17 PM

0 Comentários

ano 06 - 02/03/2006



finalmente começa 2006!


"...as trevas de purpurina acabaram, regozijem irmãos!"

Selph - 9:42 AM

0 Comentários