<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

afuera - 28/06/2005



... não é irônico quando vc percebe que construiu um mundo interior apenas pra poder sobreviver num mundo exterior?



Assim como as tantas ilhas que existem por aí, os mundos espalhados nesse globo azul parecem próximos ao toque mesmo estando a milhares de anos luz.

Do seu mundo.



Deve ser por isso que quando dois mundos se encontram, as pessoas ficam meio que sem saber como isso aconteceu. Pois a distância é imensa...



...entretanto, quando isso acontece é incrível.



Quem já viveu isso, fica se perguntando quando irá acontecer novamente.

Quem nunca viveu, fica se perguntando quando acontecerá.

Besteira

Essas coisas parecem estar fora do nosso domínio, por alguma razão que não nos é permitido saber.



Mas deve ser uma boa razão...

Selph - 2:08 AM

0 Comentários

constatei - 24/06/2005

Que é bem mais fácil, prático, discreto e as vezes até bonito...

...chorar pelas mãos. Por aqui, lógico.

Entretanto, não adianta florear demais. Um lamento é um lamento em qualquer circunstância, por mais belo que seja o desenrolar das palavras.

Assim como uma euforia, uma expectativa ou uma sacaneada. A gente gosta mesmo é do que chama a atenção e tá bonitinho. O resto é simples e igual.

E a simplicidade é anárquica! Mas nem tanto quanto a igualdade...


eu penso em vc
e faço uma prece
a verdade não cala
ou a verdade só cresce?

Selph - 2:25 AM

0 Comentários

um suíno extremista! - 21/06/2005

...e essa foi a estória do porquinho que decidiu afogar-se de vez na lama pra saber o que tinha lá no fundo. E sabe o que ele descobriu?

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
X
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.


Mais lama!


Então já viu né? Nem adianta, não tem nada demais lá no fundo, logo...

Ele voltou a superfície e encarou o sol. Ficou cego com a radiação e feliz em poder respirar de novo.

***Fim***

Selph - 3:47 AM

0 Comentários

rabiscos - 16/06/2005

Alguns dizem que eu escrevo bem.

Discordo.

É muito fácil escrever sobre si mesmo. Afinal de contas, é um assunto que todos conhecem bem (ou deveriam).

Ainda assim, quando me reporto a outros temas, peco bastante no que diz respeito à concordância verbal e acentuação. Tmb não sei usar vírgulas e nem organizar pontos seguidos ou parágrafos...

Mas prefiro continuar assim. Gosto desse meu jeito errado de escrever. Amor à mediocridade? Nem tanto, certamente os textos que seguem ao pé da letra as inúmeras regras desse dialeto criptografado que é o nosso idioma, são mais fáceis de compreender. Porém, noto que em diversos deles falta algo...

Algo que eu enxergo em muitos dos textos "mal escritos" que existem por aí...

ALMA


Um texto perfeito como um andróide de terceira geração, pode até ser o correto do ponto de vista gramatical, mas pra mim soa muito frio...

Sem calor humano, sem aquelas pequenas (ou grandes) imperfeições e principalmente, (pelo menos pra mim) sem muita sinceridade. Parece muito burocrático.

Às vezes eu penso que Jornalismo não seja uma boa pra mim. Não consigo escrever nada sob pressão. Por isso as minhas redações escolares sempre foram ruins e consequentemente não me vejo escrevendo sobre assuntos dos quais não saiba nem o básico.

Entretanto tmb sei das coisas horríveis que podem surgir da total falta de noção ao escrever.

Então: Nem tanto ao céu, nem tanto ao mar. Fico na terra mesmo...



...na terra dos malucos que gostam de escrever pelo simples prazer que isso proporciona.

Selph - 2:46 PM

0 Comentários

o coração sem flecha - 14/06/2005

Dia dos Namorados. Assunto passado. Data comercial.

...se vc não estiver apaixonado é claro!

Alias, pra quem está apaixonado pouco importa. Todo dia é dia.

Além de ter o propósito de aumentar os lucros dos motéis, floriculturas, operadoras de celular e cinemas, essa data serve pra lembrar algumas pessoas (da maneira mais banal existente) que:

Vc está só


O aumento no estoque de comida congelada dos supermercados, os bares da esquina, as noites de sábado em frente à TV ou Internet, as conversas banais ao telefone, as músicas lindamente melancólicas, as cidades super povoadas e aquele batimento cardíaco descompassado, tmb fazem uns e outros lembrar que...

Eles estão sós


Na hora vc se sente único, mas esquece que pertence a uma maioria.

A maioria é solitária


Então somos maioria?
Então o mundo nos pertence?
Então temos o poder?
Então agora tudo faz sentido?

Sim, porém, é preciso corrigir uma coisa.

Vc, eles, a maioria enfim, não está (ão) só(s). Apenas não encontrou (ou aram) alguém com quem se sinta (am) bem...

...e vice-versa.

Ainda?

Não. Apenas, não encontrou (ou aram) . O ainda tem um caráter perigoso nessa afirmação.

Agora sim!

Somos maioria!
O mundo nos pertence!
Tem o poder!
E tudo faz sentido!

... entretanto, continuamos a querer:

Deixar de ser maioria
Dar o mundo a outros
Renunciar ao poder
Perder o sentido

Até que todos os “um dia” estejam presentes e todos os “ainda” sejam agora.

Depois disso, todos podem voltar a ser maioria e dominar o mundo por meio do poder e dos sentidos.

Tranqüilamente.

Selph - 2:43 AM

0 Comentários

o menino do bus - 10/06/2005

Bom dia senhoras e senhores passageiros! / Estou aqui por necessidade/ pois tenho irmão doente em casa / qualquer trocado é bem recebido / vou agradecendo antes de mais nada aquele que não puderem contribuir / Deixamos tmb o nosso "muito obrigado" pela sua vontade e atenção dispensada / eu poderia estar roubando, mas estou trabalhando / Por isso, estou aqui mais uma vez para lhes vender estas deliciosas balinhas de hortelã que acabam o bichinho do ran ran e...

...para lhes mostrar a vergonha que é ter a vida inteira pela frente sem nenhuma expectativa de melhora.

Não me olhem assim, com essa cara de repulsa. Eu sou apenas mais um filho daquela que precisou ser feita em pedacinhos para que ninguém perceba o seu gigantesco tamanho

Vc aí, Trabalhador! vc não é muito diferente de mim, não. Se arregaça o dia inteiro pra ganhar um merreca, tudo bem, nós sabemos que vc não tem culpa. Alias tmb não tenho culpa de estar assim e nem por isso te olho como se vc fosse um vagabundo...

Olha só! Donas de casa! Mulheres realmente admiráveis. Lavam, secam e passam todo dia e ainda arrumam tempo pra cuidar dos filhos, mesmo que mal e porcamente. Em troca disso só pedem um pênis disposto de noite. Mas que pena! Ao final do dia seus maridos estão tão cansados, que só lhes resta sonhar com tempos melhores. Que nunca vem...

Ora o que temos aqui? Estudantes? Humm... belos espécimes dessa raça que vai ser o futuro deste país. E que futuro! Quando estiverem lá, por favor, olhem por mim, sim? Obrigado. Ei! Presta atenção rapaz! Não faz nada o dia inteiro e ainda ta com essa cara de sono em pleno meio dia? Tsc, tsc, tsc, nem vou falar nada, pois eu tmb não sou exemplo pra ninguém, mas tipo...

...em vez de "viajar" no que o esplendoroso futuro de vcs guarda ou no que a estupenda indecisão de cada dia lhes reserva...

...acho que vcs deviam comprar as minhas balinhas. É ... são da Van Melle, sacaram? Não? Qual é? O mesmo que vcs cheiram todo dia de manhã e nas festinhas, foi encontrado nelas. Podem acreditar, o Imetro não erra...

Muito bem, vou respeitar os vovôs e vovós desta vez, quem sabe um dia eu estarei nessa de achar que no meu tempo tudo era melhor?

Então, ilustre povo? Ninguém vai comprar as minhas balinhas?

Poxa... mas elas acabam o bichinho malvado do ran ran...

Ninguém? Nem vc mermão? É, vc mesmo que está se esfregando nessa mina aí, pô! Compra vai! Talvez melhore esse seu hálito podre de cachaça. Alias, se eu fosse vc, me preocuparia menos com o tamanho do pau e mais com a higiene.

E vc safadinha? Cheia de caras e bocas indiferentes, hein? mas aposto que ta adorando o arrocho que tá levando desse marmanjo. Ah, gente! Me perdoem, mas eu adoro hipócritas. E vcs deviam me adorar tmb, afinal de contas faço parte da família...

Sou hipócrita, como vcs já devem ter percebido. Estou fingindo que trabalho, menti quando disse que tinha irmão doente em casa, alias, se todos os irmãos doentes dos vendedores de bala em ônibus do Brasil se reunissem, daria pra fazer um partido político. Ou uma comunidade do Orkut...

Além de hipócrita, sou cínico. Gosto de usar o sarcasmo e minto muito de vez em quando. Vamos! Me crussifiquem! Ou melhor: Me joguem na contramão para morrer atrapalhando o trânsito

...mas na verdade eu prefiro que vcs descarreguem o peso das suas consciências aqui no meu boné. Só cinqüenta centavos, não é caro como a conta de um analista e é muito mais prático do que a ida a um confessionário.

Humm. Isso! Muito bem, é mais fácil ir em favor da maré, né? Mesmo pq eu nem perguntei se alguém queria o produto, fui logo jogando no colo de vcs.

É só o que posso fazer sabe? Se oferecesse, ninguém iria aceitar. No fundo, no fundo, acho que vcs gostam de mim. Ou sentem pena. Ah! tanto faz! Dá na mesma, ambos sentimentos mexem com o coração, então tá valendo.

Bem, já vou indo. Obrigado pela "boa vontade e atenção dispensada"

E por favor não alimentem nenhum tipo de preconceito contra a minha pessoa, mas tmb não me levem a sério demais.

Dentre vcs, existem aqueles que se preocupam demais com os pré-conceitos e acabam entrando na armadilha dos pós-conceitos. Nunca ouviram falar? Bem, é quando alguem acha que o seu conceito sobre determinado assunto é o único verdadeiro, sacam?

Tchau! Jogarei minha bomba de pretensão e sumirei na fumaça igual a um ninja subnutrido.

Até a próxima se Deus quiser (e ele quer...)

Selph - 9:57 AM

0 Comentários

o tio da pizzaria - 06/06/2005

"Já pensou se os jovens soubessem e os velhos pudessem?"


Ele gostava de repetir essa frase diariamente. Dizia que não lembrava quem era o autor, mas que conhecia de sobra todas as suas obras. Era um autêntico boêmio! Gostava de Goethe, Niechtze, Nerruda entre outros seres viajantes.

Todos os dias ao fim da tarde, ele marcava presença na pizzaria do bairro. Ela pertencia a um argentino amigo nosso que fazia questão de dizer que enquanto nenhum dos clientes caísse duro no chão ele continuaria a fazê-las.

A pizza nem era tão ruim assim...

Eu sempre os via, ele e o argentino, discutindo sobre filosofia, livros e solidão. E como gostavam de discordar um do outro! Se algum assunto em pauta rendesse, a discussão varava a madrugada.

A diferença de idade era brutal! O argentino devia estar no auge dos seus 37 ou 38 anos. Era mochileiro e já tinha percorrido a America do Sul inteira, tmb era sequelado pacas, foi um dos ex-combatentes da guerra das Malvinas*.

O tio não, devia ter uns 60 anos muito bem vividos. Era aposentado e morava com a filha. Nunca reclamou do que o destino lhe reservou, apenas lamentava-se de
vez em quando do desenrolar de "algumas encruzilhadas decisivas da sua vida"

Ele era cheio de verbetes próprios...

Eu frequentava a pizzaria. Gostava das conversas com o tio e com o portenho (apelido carinhoso) e apesar de eu ter apenas 16 eles nunca me trataram de maneira indiferente ou como se eu fosse inferior a eles. Lembro que numa noite de muito wisky e petiscos, o tio me fuzila com a seguinte pergunta:

"O que é a VIDA pra vc?"


Putz! Comecei a gaguejar, queria dar uma resposta bacana, profunda e que não fosse tão tapada ou clichê. Não adiantou... o que responder se eu não tinha vivido quase nada até aquele momento?

Disse: "Bem, eu, eu, eu..."

Os dois me olhavam

O argentino: "Pra mim é buscar plenitude"

O tio continuava me olhando...

...

"eu não sei..." - disse

"Então vc não sabe. Não tem planos? Ambições?" - o tio retruca

"... ainda não" - respondo

"Então vc não tem uma resposta pra minha pergunta???"

Abaixei a cabeça. Não sei pq, mas eu acreditava que já deveria possuir algum posicionamento com respeito a esse assunto.

"não, creio que não" - balbulciei

"Eu tmb não tenho" - ele sorriu

???

"Engraçado" - ele diz, "quando tinha a sua idade, era cheio de interpretações próprias e curiosidade sem fim. Porém, hoje eu me encontro com mais dúvidas do que antes. E sabe pq?"

"não"

"Porque sempre que eu chegava a alguma conclusão, sempre que algum ciclo da minha vida terminava ou sempre que o destino se encarregava de mostrar a solução dos meus problemas, no lugar das antigas indagações surgiam novas. E o mais incrivel é que hj, após tantos anos, não me sinto mal com isso, não mais. Parece que de certa maneira, quanto mais tentamos nos aprofundar no entendimento das coisas, mais elas se tornam complexas e paralelamente as nossas questões se tornam mais simples"

E o argentino explode numa gargalhada. Ele era muito irônico

+++


Tudo é um ciclo. Roda é tempo e tempo é eternidade - já dizia José Hernandez

O tio morreu de enfarte um ano e poucos meses depois

Daniel (esse era o nome do argentino), voltou a ser mochileiro e largou a mulher, a pizzaria e a vidinha pacata que possuia aqui. Se ele cometeu suicídio ou resolveu as suas sequelas eu não sei...

...tmb não sei o que tirar pra mim disso tudo. Talvez haja algo de muito importante nessas palavras, mas...

Entre sentir e viver algo ou estar cheio de teorias e pensamentos bonitos do meu mundinho particular.

Eu prefiro a primeira opção. Será a do tio tmb foi essa?

É... foi melhor eu não ter perguntado.

+++


* A Guerra das Malvinas (ou Guerra das Falklands) foi um conflito armado entre a Argentina e o Reino Unido envolvendo a questão da soberania sobre as Ilhas Malvinas, Geórgia do Sul e Sandwich do Sul ocorrido entre 2 de abril e 14 de junho de 1982. Seu saldo final foi a reocupação das Malvinas pelo Reino Unido e a morte de 700 soldados argentinos e 236 britânicos. Na Argentina, a derrota no conflito levou à queda da Junta Militar Argentina e à restauração da democracia como forma de governo.

Selph - 11:49 AM

0 Comentários

legendeie - 03/06/2005



E esse verbo existe? Tmb não importa... Seguinte: essa é a foto do show do White Stripes aqui, justamente no momento em que Jack White sai do teatro e vai dar um alô pros barés.

A intenção era fazer um som a capela, mas ninguem ouviu porra nenhuma...

Pq? Bem, primeiro pq a algazarra era infernal e segundo pq o Jack deveria estar viajando se achou que todos iam ouvir um violão sem caixa de som pra amplificar...

O show foi legal, pelo menos é o que o pessoal que assitiu ao vivo diz. O resto da galera ficou na praça acompanhando pelo telão com data show. Eu tava lá tmb, mas cheguei tarde. Só deu pra pegar duas músicas antes do cara sair pra dar um alô e é claro Seven Nation Army no final.

Achei a foto bem peculiar e por isso resolvi posta-la. Criem alguma legenda pra ela.

P.S - Esse moleque de óculos e camisa branca no canto esquerdo superior da foto, era um dos mais chatos! Toda vez que o pessoal tava começando a silenciar pra ouvir o WS tocar o desgraçado gritava: "Huhú! é White Stripes!"

Selph - 10:35 AM

0 Comentários

presta ou não presta? - 01/06/2005

Hiato. Mais uma semana escrota de trabalho. Sem Net, evidentemente...

Agora eu não sei mais quando volto, o treco complicou tanto por aqui, que tá arriscado eu ficar dias e mais dias fazendo extra. E eu que pensava que seria simples postar de casa. Haha!

E como as idéias, inspirações e quase toda a minha atenção estão voltadas nesses ultimos dias para esse tema, aí vai mais um da série...

!*#


Vantagens em ser prestador de serviços:

* O contrato que pode ser renegociado de acordo a um período de tempo estipulado no mesmo, simplificando o vínculo com a empresa que te contratou

* Vc pode trabalhar em outro local num mesmo dia. Geralmente as prestações de serviços são apenas de meio expediente. Isso evita um monte de dor de cabeça com questões de horário e permanência no local de trabalho.

* Ainda na questão dos horários: Sendo full time, vc entra a hora que quiser. Sem essa de “bater cartão”.

* Não existem problemas com coisas como “fidelidade à marca” ou “acordo de cavalheiros” com as empresas

* Vc pode contratar outros profissionais pra fazer as partes chatas do seu serviço. E por um preço muito mais em conta.

* Em caso de problemas, vc deve se reportar apenas aos gerentes ou diretores. Ignorando a encheção de saco dos supervisores, administradores, trainnies, estagiários ou qualquer outro tipo de peão.

* Vc trabalha um bocado. Em compensação, ganha muito mais do que se trabalhasse a mesma quantidade sendo empregado da instituição.

* Possibilidade de receber 50% da baba antes de começar o serviço. Um estímulo e tanto.

* Nada de uniformes incômodos e/ou ridículos (o antigo da empresa em que trabalho era rosa. Ui!)

* Vc é quem define qual é a melhor maneira pra obter o resultado pedido. Até os padrões mais xiitas podem ser obtidos mediante uma variação no método.

Desvantagens em ser prestador de serviços

* Apesar do seu contrato ser diferente dos outros, ainda existem regras comuns a todos. Como: dia de pagamento e metas pré-definidas.

* Definitivamente sem: férias, banco de horas, extras, seguro desemprego e benefícios extras. Não é obrigatório o contratante fornecer: transporte, ticket refeição, seguro contra acidentes e local próprio.

* Em certos lugares, vc só sai do prédio quando terminar TODO o serviço. Madrugar é comum...

* Sempre que some alguma coisa, quem não é da empresa é o primeiro suspeito.

* E a recíproca é verdadeira: se vc tiver alguma ferramenta ou material que chame a atenção, é melhor guardar bem. Quem não faz parte do quadro de funcionários é o alvo preferido.

* Assim como os horários podem ser flexíveis, há casos em que eles se tornam inflexíveis. Como serviços que só podem ser executados quando a área estiver vazia. Traduzindo: fim do expediente.

* Geralmente os prazos de entrega são curtíssimos. Tipo, pra ontem

* Trabalhos sujos e difíceis são sempre os mais requisitados

* Prestadores de serviços "polivalentes" e "com domínio em diversas áreas" são muito bonitos na teoria. Já na prática, o que é mais pedido mesmo são os "pau pra toda obra" e "barato e rápido".

* Finalmente: se der alguma merda, se o serviço não for bem feito ou se vc quebrar alguma coisa, isso não será descontado do pagamento final, mas virá em forma de monstruosas multas contratuais. Quase sempre mais caras que o orçamento em si.

!*#


...sinto falta de quando tinha tempo pra escrever outro tipo de sandice por aqui.

Selph - 6:35 AM

0 Comentários