<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

utópico - 30/09/2005

Às vezes eu imagino como seria se existisse uma sociedade totalmente planejada.

Explico: uma sociedade em que tudo, eu digo absolutamente TUDO (cultura, sexualidade, educação, sistemas de governo, gostos, etc.) tivesse sido pensado antes e feito visando objetivos já conhecidos.

Essa sociedade daria certo?


sociedades perfeitamente planejadas: falha


sociedades perfeitas geneticamente: falha


sociedades perfeitas virtualmente: falha


Apesar de serem obras de ficção (que ironia!) todos estes filmes partem do principio da não conformidade do ser humano para com o ambiente, por mais perfeito que ele possa parecer.

Acredito que a "perfeição" nunca será atingida ou vislumbrada por nós, pois somos essencialmente diferentes uns dos outros no que diz respeito a conceitos sobre excelência. Logicamente me refiro a vida social, mas isso pode ser visto em outros quesitos tmb.

O maior exemplo disso foi a queda do Comunismo.

De grosso modo, o Comunismo (ou Socialismo, seja lá como vc o quiser chamar) parte do principio que o ser humano é bom com o seu semelhante sem esperar nada em troca. Sei que por aí existem almas iluminadas que conseguem aplicar isso a vida diária, porém, em se tratando de massas, as minoria não tem efeito relevante.

Logo, toda a ideologia se perde. Não que o ser humano seja de natureza democrática, mas esse tipo de visão é uma corrente de aço mais apropriada pra nos prender.

Um exemplo de como a "perfeição" é inatingível ou até mesmo perigosa, é o caso da China Antiga.

Historiadores descobriram que a sociedade chinesa de antigamente tinha chegado a um nível de excelência tão grande que não tinha mais o que fazer.

Então como é de praxe começou a perder tempo nas entrelinhas.

Desenvolveram um manual com centenas de páginas ensinando todas as maneiras de segurar um leque. Coisa útil não?

O fato é que o Império entrou em colapso. Ergueu uma muralha para se isolar dos inimigos (e do mundo) e só voltou a aparecer séculos mais tarde. E quando voltou, retornou o seu governo com um sistema (ó surpresa!) comunista.

Será esse o destino das nações que buscam tão maniacamente a excelência?

Abre o olho EUA.

Pra mim o ser humano parte do principio do grupo, sempre e quando este respeitar a sua unidade pessoal e a mantiver intocada. Basta haver algum deslize e pronto: estão abertas as portas da anarquia.

Anarquia que como vcs devem saber, não necessariamente tem a ver com violência ou destruição. Quer dizer: apenas seguir sua própria lei. Sem governos ou leis prescritas.

Entretanto, governo, ou melhor, metas são necessárias.

Metas que levem a "perfeição"? Não creio.

Governos são necessários sim. Mas respeito à diversidade é fundamental.

Pois é ela quem garante alguma liberdade nesse caldo todo.

Um exemplo bem idiota: digamos que uma sociedade tenha seu ouvido musical totalmente direcionado para Kelly Key ou Britney Spears. Desesperador?

Certamente, mas eu aposto as minhas fichas que se essa sociedade for mente aberta e diversificada, um dia eles irão parir um Chico Buarque.

...ou um Caetano, ninguém é perfeito.

Selph - 8:29 AM

0 Comentários

morpheu - 28/09/2005




...um sonho dentro de outro.

Selph - 11:18 AM

0 Comentários

.fim de festa - 26/09/2005

(tin tin!)

.à nós... que nunca nos damos bem de primeira!

.nem de segunda, terceira ou quarta

(lá pela quinta até que dá certo,
mas como somos desconfiados
deixamos passar)

.tudo bem, tudo bem, tudo bem...

Um brinde!

(onomatopéia produzida pelo atrito entre os mais finos cristais das taças)


.pra gente!

.que vive reclamando disso ou aquilo.

.quando tá bom, podia tá melhor.

.quando tá ruim, é "por que nunca dá certo comigo"

Um brinde!

(onomatopéia produzida pelo atrito entre o vidro dos copos)


.pra quem vive esperando por alguém que ainda não conhece

.pra aqueles que sempre chegam após o "grande amor da vida" desse alguém

.pra quem quer esquecer o passado, não tenta adivinhar o futuro e tem preguiça de pensar no presente

.então serve pra nós tmb!

Um brinde!

(onomatopéia produzida pelo atrito entre o metal dos copos)


.um pena não termos champanhe (vinho, cerveja, cachaça ou metanol) em quantidade suficiente pra brindar com todos

.desconfio que não sejam poucos

.desconfio que todos queiram sair desse grupo o mais rápido possível

.afinal de contas, ser traíra nesses casos compensa. E muito

Um brinde!

(onomatopéia produzida pelo atrito entre a madeira dos copos)


.sina não existe

.estrela ruim tmb não

.o que existe é competência e sorte

.ou a sua primeira ainda não foi reconhecida

.ou a sua segunda ainda não chegou

Um brinde!

(onomatopéia produzida pelo atrito entre o plástico dos copos)


.a questão é:

.acreditar nisso

.mas fica difícil sem provas

.porém, pra quem acredita ou não

.devido a todos os fatos e talz, mesmo assim:

.UM BRINDE À NÓS!

...pois a gente merece.

Selph - 8:24 AM

0 Comentários

mcfly - 23/09/2005

Todos os dias da metade de agosto pra cá eu estou indo de carona pro trabalho. Ainda bem, pois aquela rota que passava às 5:45 da manhã era uma merda pra mim.

A minha carona me pega num bairro vizinho, distante 5 minutos de minha casa. Eu espero todos os dias em frente a um quintal imenso, repleto de árvores frutíferas e bichos de fazenda. Os donos do simpático sítio são uma família de agricultores que resolveram morar na cidade sem perder os hábitos do campo.

Depois de quase um mês esperando sempre no mesmo local, vc acaba reparando nas coisas ao redor. Decorei o horário em que o filho mais novo vai buscar o pão e lembro da cara da maioria das pessoas que passam de carro por aquela estrada.

Entretanto o que mais me chamou a atenção foi a vida social dos animais que ficam ali, soltos no quintal e passeando pela estrada junto as árvores. A maioria é galinácea, porém, tmb havia um cachorro pirento e ranzinza e um casal de patos esnobes.

Dentre os galináceos, o mais interessante era o galo dominante. Cheio de pose e vitalidade (como todo galo deve ser e aparentar) ele cantava pontualmente as 06h30min da manhã. E sempre escolhia um tronco cortado de 1,50 mts de altura pra subir e cumprir tão importante tarefa. De baixo, os outros súditos bichos observavam tão imponente ser...

...e no meio deles, havia um frangote que sempre queria estar ao lado do galo e se possível roubar algumas galinhas deste. Obviamente nunca teve chance, inúmeras foram as vezes em que presenciei o galo correndo atrás do pobre garnisé.

Até a semana passada.

Na segunda, por algum motivo misterioso, o galo não subiu no horário. Estava atrasado.

Na terça tmb não. O garnisé olhava pro tronco cortado com um brilho nos olhos.

Quarta feira todos viram e ouviram um novo mandante do pedaço. Sim, o galinho marrento subiu no tronco e começou a cantar. Fino e sem força, porém deu conta do recado. Creio que percebendo que não agradou muito e que precisava melhorar, o novo "rei do terreiro" achou que precisava de um local mais alto para que todos o vissem. E ouvissem.

E assim foi. Na quinta ele estava num galho mais alto ainda. E se esforçava pra chamar a atenção.

É curioso observar que até no reino animal, toda adolescência clama por atenção. E sempre que o faz acaba dando em merda. Hunpf! E adolescente vive fazendo merda...

Sexta feira o garnisé inventou de subir na copa da arvore mais alta do quintal. Cantou, cantou e quando achou que já estava bom (geralmente são 3 vezes seguidas), o infeliz viu que não sabia como descer dali.

Olhava pra galinhas: "cóó...", olhava pro cachorro: "cóóó...." e até pra mim: "cóóóó...."

Coitado.

Talvez ele estivesse com medo de terminar igual ao galo. Sim, depois eu descobri que o digníssimo tinha sido comido. Como eu sei? Bem, um monte de penas mais uma cabeça com a crina vermelha na lata de lixo, eram bons indícios...

O fato é que isso deixou o pai da família puto devido ao barulho. Que acabou se estendendo por mais 15 minutos. Até ele apanhar a espingarda de chumbinho e derrubar o teenager. Até hj eu não sei se ele morreu da queda ou do chumbo.

Moral da estória?

"A intenção pode até ser boa, mas se vc não sabe torna-la real, não cante de galo"


+ detesto morais de estorias, mas na hora só me veio isso na cabeça

Selph - 5:30 PM

0 Comentários

vai? - 21/09/2005

Suponha que o mundo em que vivemos fosse passível de fantasia ao ponto de surgir a seguinte proposta para o povo brasileiro:


"o fim da dívida externa, do desemprego e da fome em troca de 4 dos seus 5 títulos mundiais. Vai?"



O povo abriria mão do circo em troca do pão?

Ou será que ele precisa do circo pra ir atrás do pão?

Dilemas.

Selph - 8:21 AM

0 Comentários

blog in - 19/09/2005

Ontem eu estava sofrendo mais uma daquelas crises de falta de inspiração pra escrever. Em minha mente havia um clamor por coisas novas, porém, sempre que isso acontecia eu me via perdido em pensamentos insólitos em busca do glamour perdido. Quanta perdição!

Quisera eu ter vivido aventuras em número suficiente pra poder relata-las aqui, mas a minha cabeça se encontra num vácuo e isso é triste pois uma mente é uma coisa terrível a se desperdiçar.

Abri o jornal pra ver se encontrava alguma inspiração ali. Ledo engano, entre vários comentários maldosos, vislumbrei mais e mais o poço no qual o país se afunda. Quando as esperanças caem, a única saída viável parece ser meter o pau em tudo e em todos, mas com charme. Sabe né? esculachar sem perder a simpatia...

À noite sai um pouco e vislumbrei a lua. De repente uma calma serena me invadiu e me vi pensado em tempos melhores, lugares e pessoas com quem eu possa cultivar a minha juventude, sobriedade e poesia, mas tal pessoa e lugar estão longe... ainda.

Pensar neles me fez bem. Tenho que ir devagar com meus pensamentos e principalmente com a minha ansiedade, penso que se minha vida tivesse que ser contada teria de tudo um pouco, muito pouco, entretanto seria satisfatória. Como já diz o ditado: O importante é a qualidade e não a quantidade

Ah! Eu e meus monótonos monólogos! Sou mesmo um ser pseudo-alguma-coisa, pois tudo o que me vem a mente num momento me parece falso em outro. Serei um inútil?. Não... os que se julgam inúteis são aqueles que ainda não enxergaram o seu próprio valor. Serei louco? Vivendo em pleno desconcerto?, ah... sempre disseram que o mundo pertence aos loucos, então isso não seria de todo ruim.

Minha consciência furtiva me diz que eu substituo meu nome (ou caráter) por outro ou por uma expressão que facilmente o identifique apenas por medo de me concretizar em algo que amanhã talvez possa se mostrar totalmente diferente do que eu esperava.

É uma sensação estranha, não tente entender, é como se eu me sentisse girando de dentro pra fora. Definitivamente ainda falta muito pra eu me curar dessa anomalia.

Por enquanto eu vou levando. Não acredito que eu não tenha salvação, mas por via as dúvidas vou empregar uma solução dois em um: farei uma via ativa agridoce, por um lado vou procurar ser tolerante e complacente com os novos problemas que surgirem, mas não irei de maneira alguma ser condescendente com velhas rixas ou pessoas que insistirem em continuar com as suas notórias imbecilidades. E quem por ventura não gostar, que venha me pegar! Estarei pronto.

Meu Deus!, creio que me tornei um sujeito um tanto quanto corrosivo e triste, uma espécie de ácido cinza...

...ou talvez tudo isso tenha sido uma epopéia de uma noite mal dormida. Que seja. O fato é que certas coisas devem ficar guardadas em nós. Dentro de uma caixa de material íntimo.

Eu não sou muito chegado a fazer alusões próprias, mas essa da caixa de material íntimo até que ficou engraçadinha. E dúbia.

Deve ser pq não gosto de diminutivos, mas lá num cantinho do cérebro ainda guardo um carinho para com eles. Viu só?

Porra! só agora lembrei que enquanto produzi estas linhas mal redigidas, perdi o especial de animes que passou na TV a cabo. Argh!

A minha esperança era que passassem Hentai num deles, mas creio que não pois esse tipo de programação não agrada em nada aos produtores do canal. Eles devem pensar que nós somos um bando de damas. Ora faça-me o favor! rapadura é doce, mas não é mole não.

Bem, vou indo. Pra quem só queria encher uma lingüiça virtual creio que já está bom. Tchau! Vejo vcs por aí!

Selph - 9:53 AM

0 Comentários

putcha! - 15/09/2005

.pra ser humilde

é preciso ser

"arrogantemente"

seguro de si.

puaf!

Selph - 8:15 AM

0 Comentários

ver um navio - 13/09/2005

o ideal de uns

é o banal de outro


sempre assim, o plural invejando o singular

uuu... que "adorável"


tenho que terminar/livrar-me/esquecer disso

.mesmo.


SAP - do que estou falando? do de sempre: pessoas, pessoa, impressões... e eu.

Selph - 3:38 PM

0 Comentários

le fodon - 12/09/2005

Semana passada ele me chamou no meio do expediente da tarde pra "mostrar um negócio legal"

E era legal mesmo! O digníssimo perdido tinha conseguido entrar num fórum que cedia gratuitamente dezenas de livros batutas pra ler. Mas o que ele fez questão de frisar pra mim, eram os que falavam de sexo. Geralmente livros assim se dividem em 2 estilos: os que tratam do assunto de forma didática, ou seja, ensinado truquezinhos e manhas e os que contam estórias picantes, crônicas ou algo do tipo.

Em ordem aleatória (e isso existe?) foram estes os livros que ele baixou e gentilmente passou pra mim:

* Kamasutra - O livro do Amor (completo e em português)

* Kundalini Yoga ou O Livro Amarelo- Samael Aun Weor

* Sexo na cabeça - Luís Fernando Veríssimo

* O livro dos Orgasmos Múltiplos - E-book

* O manual da conquista - duas páginas de Word. Só.

De todos, o que mais me chamou a atenção foi o Manual da conquista.

Talvez pelo fato de ser um tímido profissional aliado ao fator "falta de tempo", um livro de 2 páginas é ótimo...

Logo, foi o primeiro que li. Interessante, tem muitos conselhos batidos, porém úteis.

O que o manual mais resalta é a necessidade de se ter uma auto-estima alta para alcançar o sucesso. Frases como: "eu posso", "eu consigo", "eu sou alguém interessante", fazem parte da tônica do livro. Tem tmb alguns macetes legalzinhos e que são sempre muito bem vindos. Mas no final da segunda página, o manual se afoga numa clichezada violenta. Foi bom enquanto durou.

Após ler, cheguei a conclusão de que não tenho sequer metade do requisitos pedidos. Não me senti mal ou inferiorizado, entretanto não pude deixar de imaginar os milhões de machos que leram o manifesto, seguindo o livro ao pé da letra e fazendo passo a passo (sim, o livro tem um passo a passo) cada um dos estratagemas propostos.

Uma certeza de que todo conteúdo ali exposto, até os macetes legais, logo se tornaria batido (se é que já não se tornou) me invadiu. Sabe né? Quando muita gente usa a mesma coisa, esta coisa obviamente se desgasta, e na maioria das vezes devido ao mau uso. Tipo: até que a proposta é boa, o foda é que sempre vai haver aqueles que farão merda.

Outro ponto interessante que o manual não aborda é o fato de que o maior medo que o homem tem quando sai à caça é o de levar um fora. Voltar pra casa sozinho nem é tão ruim assim comparado ao pseudo-vexame que a gente pensa ser insuportável de engolir (e as vezes é) quando se leva um kick in ass.

Sempre que o assunto chegava nesse fato o manual simplesmente dizia: "parte pra outra", legal, mas seria bom se existisse algum outro manual que ensinasse a como sobreviver a um fora saindo de forma digna, ou como "partir pra outra" em detalhes mais específicos. Os tímidos (o público alvo certamente) agradeceriam.

Mas de fato: a frase mais interessante, polêmica, e até passível de contestação seria esta:


"é a mulher quem caça e não o homem"


...hehe! essa muitos poderiam dizer que já sabiam. Mas as conclusões que tal afirmação trariam pra maioria dos solitários não seriam de todo agradáveis.

Hunpf! Tudo isso para podermos ter a chance de fazer algumas das 64 posições do outro livro lá listado. Coisas meigas como "Fênix Brincando em uma Caverna Vermelha" ou "Bicho da Seda fazendo um casulo"

Ah... que seja!

Selph - 6:38 AM

0 Comentários

cambios - 08/09/2005

Já diziam os latinos:

"Mudar é preciso"


... então que seja.

Agradecimentos especiais:


DUDU.exe

Cammy

Celle


e a I.

E quem seria I?

Ah... eu não vou contar, mas posso dizer que essa entidade internética me ajudou muito. E não só no HTML ou nos templates.

Eu disse que ia escrever alguma coisa sobre vc I, prometo deixar seu nome no anonimato. Não preciso mais dos domínios, felizmente tomei vergonha na cara e resolvi procurar o que queria fazer com mais afinco.

Mas como não posso deixar passar esta oportunidade, digo:


MUCHAS GRACIAS!

Selph - 6:18 PM

0 Comentários

- 04/09/2005

num mundo que respira atenção, é
natural querer um pouco pra vc...

...posso ter muita coisa, mas enquanto não
tiver o que me interessa não tenho nada.



~ \o/ ~

~~o/~

~~~

Selph - 8:34 PM

0 Comentários