<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

anime-se - 31/07/2006

A vida é um anime.

Cheguei a essa conclusão após analisar os preceitos básicos que regem um anime*

São vários, mas vou listar apenas alguns:

1 - Drama

Está inserido em quase tudo. Desde animes mais sensíveis como Love Hina, até os mais sangrentos como Hellsing

Já diziam os budistas: "tudo é dor, e todas dor vem do desejo de não sentir dor".

Essa constante é aplicada na vida diária, visto que somos criaturas movidas a desejos (Gaiman já sabia) que quando não são atendidos geram algum tipo de drama em maior ou menor escala.

Ou então, pelo simples fato da melancolia ter em nós um apelo tão grande quando a alegria.

2 - Violência

Essa é mais restrita. O que acontece em São Paulo e nas grandes capitais é fruto de descaso, mas insere algo que todo ser humano possui dentro de si. O instinto de sobrevivência. Que aliado a um raciocínio torto, acaba gerando mais e mais violência.

E assim como na vida real, em certos animes ela é crua e explícita. Como um atropelamento a céu aberto.

3 - Sensualidade

O sexo vende. E sempre vai vender.

Não é a toa que a profissão mais antiga do mundo possui um know how invejável. Desde técnicas sexuais até como conseguir ser o centro das atenções.

Daí o link para o Hentai, Yaoi e Yuri. Que nada mais são do que retratos fiéis da sociedade. Em parte, o lado sensual tmb é muito explorado no estilo shonen

4 - Crises Existenciais

Não confundir com drama, pois este remete mais a situações e conseqüências, já as crises existenciais derivam de questionamentos internos ou da pura e simples falta do que fazer.

Nem sempre são dramáticas, às vezes tem um quê de cômico, como quando vc apanha tanto pra enxergar alguma coisa que estava na sua cara. Alie isso ao fato de vc ainda não ter atingido as suas metas (ou de simplesmente não tê-las), a todas as questões que ainda serão levantadas por causa disso e pronto. Eis um prato cheio.

Em animes geralmente refletem distúrbios de personalidade ou dualidade de caráter. Isso quando a famosa incompreensão da natureza humana não ataca.

5 – Esperança

Auto-explicativo. Quem não a possui em quantidade suficiente pra respirar, perde seu tempo por aqui.

6 - Conveniência

Essa é mãe de todas as forças atuantes em um anime.

E às vezes, na vida tmb...

Sabe Murphy? Pois é, ele é uma faceta da conveniência. A faceta ruim.

Sempre que algo dá errado de maneira estranha, a gente teima em pensar em alguma força oculta, por mais ridículo que nos pareça.

Lógico que inserido nesse contexto temos as leis da Ação e Reação, Lei do Retorno, do "Aqui se faz, Aqui se paga", etc, que só demonstram como a consciência tem poder em alguns indivíduos.

Nos animes a conveniência surge quando o herói é sempre salvo no último instante e por algum fato ou situação que se molde perfeitamente para o beneficio deste.

E por mais azarado que um ser seja, tem dias em que tudo acontece de maneira mágica. Quando todas as coisas convenientemente combinam pra tudo dar certo. Pena que isso não aconteça o tempo todo, como nos animes...


* A propósito, pra quem ainda não sabe o que é anime, vide o link

Selph - 1:35 AM

0 Comentários

saudosismo comentado - 29/07/2006


nenhum comentário



1 comentário



mais de 1 comentário

Selph - 3:40 PM

0 Comentários

cafeína - 26/07/2006

Menti.

E eu que disse que não faria isso. Agora entendo...

Mesmo que tal mentira tivesse como função esconder uma coisa dolorosa, foi errado.

Pois só retardou. Não sem a devida "ajuda" alheia de gente que até tinha me "aconselhado" antes, mas enfim...

Pedi desculpas. Acredito que fui desculpado. Mas tudo muda de figura. Pois eu já estive no papel de quem foi logrado, e sei que quando a confiança quebra, não há como remendar.

Por mais que as situações tenham sido completamente diferentes.

Bem, agora só resta a continuidade. Ou quem sabe olhar pra trás de vez em quando. Logicamente, sem se iludir achando que tudo voltará a ser como era antes.

Nessas horas é que eu tenho vontade de ir pra algum lugar onde sirvam café bom. Sentaria na beira do balcão e tentaria entorpecer o tempo escrevendo crônicas.

Isso ou alguma coisa que retrate alguém que irá acompanhar o desenrolar de certos fatos à margem de tudo o que é alheio. Alias, o sentimento continua por aqui, porém, agora ele ficou inominável. E desconfio que durante um bom tempo ele vai continuar assim.

É isso. Basicamente isso.

Selph - 1:10 AM

0 Comentários

abstrai - 24/07/2006



vc tá indo
e fala, e fala, e fala...

eu tô voltando
e calo.

Selph - 10:15 AM

0 Comentários

padrões e padrões - 18/07/2006

Aqui no Brasil, e talvez no mundo, existe um pensamento padrão que diz que "tudo o que faz sucesso se torna pausterizado, vendido, clichê, redundante e etc"

Tipo, se antes era underground e tinha méritos, qualidade e estilo, a partir do momento em que se torna unanimidade, passa a ser visto com maus olhos.

Isso acontece com quase todos os tipos de mídia: livros, cinema, música e afins.

Entretanto, não concordo com quem utiliza apenas esse artifício para explicar sua opção. Pra mim, esse pensamento é fruto do povo que simplesmente acha que não se misturando a plebe, se tornará diferente, e, portanto, "especial".

Como se o conceito de especial já não tivesse ido pra Marrakesh neste mundo aleatório e diversificado em que vivemos.

Justamente por isso, a aleatoriedade mostra que os padrões podem ser totalmente invertidos:

Exemplo:

De:





Totalmente estourado do Oiapoque ao Chuí com Ana Júlia e detestado pelos ditos "alternativos" por se tratar de "música comercial"


À:




Que mostrou o “auge” da mistura entre a MPB e o rock que virou cult, quase uma unanimidade entre o povo indie ou simplesmente "moderninho"



Porém, via de regra é o contrário que sempre acontece:


De:





Endeusado e aplaudido no mundo inteiro, paparicado pela crítica e pelos leitores


À:





Execrado pela crítica como vendido e clichê, acusado se não se renovar e de utilizar sempre o tema ocultismo para vender livros e falar sobre assuntos totalmente batidos. Tido como falsa literatura oportunista



Na boa, o Los Hermanos começou mesmo fazendo música pra vender. E continua assim, pois, o fato de gravar "coisas diferentes" não muda a necessidade de se vender disco.

E tipo, o que o povo que tanto os idolatra deveria enxergar é que tais ídolos soam muito, mas muito oportunistas ao fazer questão de não tocar mais nos shows, a música que os lançou para o sucesso. Não digo que agora eles estejam fazendo música pra aproveitar a onda, mas quem apronta uma vez pode aprontar duas ou mais...

Já o Paulo Coelho apesar de ter trilhado o caminho inverso, virou unanimidade justamente na época em que começou a receber críticas ao seu trabalho. O fato de ter sido feito membro da Academia Brasileira de Letras ainda está entalado na goela de muita gente.

Mas peraí, eu até concordo com o fato dele não poder ser enxergado como literatura. Questão de gosto e bom senso. Mas daí a criticá-lo e dizer que ele não merece estar entre os "Imortais" já é um pouco exagerado.

Por exemplo, o Sarney que sempre foi um escritor pereba está lá, pq Paulo Coelho não pode estar tmb? Se corromper uma vez, então segure a onda.

E sim, o mago (sic) está mudando a sua escrita, mas nada muda o fato dele ser apenas um escritor mediano.


De uma coisa eu sei. A diversidade pode ser muito boa para enriquecer as variantes de informação e cultura, mas chega uma hora em que a insistência para globalizar tudo acaba transformando a coisa toda num circo. E dos mais chatos.


E tipo, se vc não for nenhum eremita ou poeta suicida russo, então enxergue que vc está numa sociedade de consumo, portanto, não use como argumentos coisas como "vendidos" ou "original". Soaria no mínimo contraditório...


Talvez o único termo que ainda mereça destaque seja "fabricado" já que coisas fabricadas para fazer sucesso dificilmente atingem o panteão da memória. Exceção feita aos Beatles e aos Sex Pistols, pois estes souberam utilizar a imagem em favor do conteúdo.


Ah, eu blasfemo tanto pra não enxergar que tudo é utopia...


Os fatores diversidade e gosto sempre existiram, porém, ultimamente estão mais em voga. Vide as posturas politicamente corretas e incorretas que existem por aí.

Engraçado, ninguém quer ser ovelha, mas tmb ninguém quer ficar pastando sozinho...

Contrariedades... Talvez esse seja o único padrão existente.



P.S - Este texto abusou das aspas. Não façam isso, é feio.

Selph - 1:40 AM

0 Comentários

putzaquelaspário! - 14/07/2006

Eu queria ser engraçado.

Sério, ser um daqueles tipos que sempre tem alguma sacada genial na manga. Ao que parece, esse tipo de simpatia agrada bem mais do que o simples mutismo.

Ei! Mas eu não sou mudo...

Eu queria ter um blog engraçado tmb.

Seria bem mais leve e confortável, não criaria polêmica alguma e quem lesse (se lesse) só se daria ao trabalho de rir ou comentar alguma gracinha.

"hahaha!"

Ei! Mas eu não falo "merdas geniais" (by Angeli)

...bem, tira o "geniais"

Selph - 12:30 PM

0 Comentários

venha Deus - 12/07/2006

Venha Deus
Mas não espere fé
Nem oferendas
E sim fraquezas

Entrar no seu reino é divino
Mas nossas ambições são humanas

Nós não somos mais o que esperavamos ser
E até a descrença já foi embora também
Sobrou só o barco vazio, com o capitão morto na proa
Mas não se acanhe por causa disso, venha!

Pois os macacos mordem, mas são ignorantes
Logo, sabedoria inside em saber lidar com disso

O Senhor terá vergonha de nós?
Do que criou com tanto carinho?
Das ilusões que foram por outro caminho?
Das guerras feitas em seu nome?

Dos que não cansam de perguntar?
(e criam respostas cretinas)

Crer no Senhor é um bálsamo
E pelo bálsamo, também conhecemos o placebo
E o placebo alimenta a esperança
Que segundo as lendas, nunca morre...

Mas seu perdão foi vulgarizado
E nos acostumou mal

Pois dizem que no desespero não existem ateus
A não ser que isso seja conveniente
Conveniencia é ligada ao ego
E ego alimenta o ser

Pronto, temos as respostas
Só faltam as perguntas

E mesmo que demore 42 milhões de anos
Ainda estaremos por aqui
Pois nossa imagem ainda não saiu da fôrma
E a fôrma, pelo jeito, depende da imagem

Mas ainda assim, venha!


Selph - 11:50 AM

0 Comentários

estrela e cruz - 10/07/2006

Se analisarmos friamente, chega uma hora em que comemorar aniversários se torna humor negro...

Mas de qualquer maneira, humor! Ria!

Talvez vc não viva mais por conta disso, mas viverá melhor sem dúvida...

* inspirado e extraído daqui

Selph - 9:50 AM

0 Comentários

rivalidade - 06/07/2006

Agora que a Copa já está em sua fase final e que os ufanismos do povo voltaram a um nível aceitável, me sinto a vontade pra comentar sobre a rivalidade que os brasileiros tem com os argentinos.

Pra quem não sabe, eu sou filho de pai argentino e mãe brasileira, logo, nutro um carinho especial por ambas as pátrias. Embora nos ditos jogos da "melhor seleção do mundo" eu não torça por ela em hipótese alguma.

E os meus motivos são vários, e nem tem tanto a ver assim com a minha descendência.

Em primeiro lugar, não suporto falsa humildade. Os caras do escrete canarinho são cheios de frases feitas com relação a humildade, mas tá na cara que se acharam e muito nessa Copa. É isso não é só agora.

O modo como a seleção joga tmb não é do meu agrado, o futebol pouco objetivo e com firulas desnecessárias me irrita.

A Raça tmb nunca foi muito popular, sempre utilizaram a desculpa de que "quem apela pra raça é pq não tem técnica", o que é mentira...

Some isso a falta de comprometimento com a camisa e a gana mercenária de alguns convocados. Pronto, temos um lixo.

Se eu tivesse nascido nos anos 60 e acompanhado a seleção desde aquele tempo, talvez morresse de amores por ela. Porém, sou da década de 80 e acompanho futebol desde 89.

Vi a rivalidade entre Brasil e Argentina se instaurar desde lá e notei que ela é fruto em grande parte do que a mídia vai impondo. Galvão e companhia sabem bem o que plantaram...

Lógico, vizinhos sempre irão ter uma certa rixa (vide Inglaterra e França ou EUA e México). Mesmo pq são povos diferentes com culturas que valorizam coisas diferentes.

Mas daí surgir um certo ódio de ambas as partes me parece exagerado. Pra não falar coisa de ignorante mesmo.

Exemplo? O que a mídia vincula, mais precisamente as tais propagandas da Skol:







...que até são "engraçadinhas" se não alimentassem o anti-argentinismo que anda tão em voga ultimamente.

É claro que tais manifestações de carinho encontram respostas. Às vezes até radicais...







Isso só mostra uma coisa. A quantidade de idiotas que alimentam essa rivalidade estúpida é relevante por lá tmb...

Que o futebol é um canal pra extravasar todas as mazelas e desilusões isso qualquer um sabe. Mas daí querer pegar outro país como bode expiatório, já é demais!

Lembro das vezes em que era perguntado por quem torcia e quando respondia "Argentina", uma maioria perguntava o que eu fazia aqui, pq não era PATRIOTA e por fim que não merecia ser brasileiro.

Porra! E meu livre arbítrio?

Coisas assim passam despercebidas uma ou duas vezes, mas não SEMPRE.

Eu gosto do futebol deles. Adoro a técnica, a raça, a paixão, a entrega. Lá não existe tanto essa hipocrisia que vemos por aqui, de idolatrar as pessoas e depois do fracasso reduzi-las ao nada. E por falar nisso, vc dificilmente irá ver um argentino rasgar a bandeira nacional num jogo de futebol...

Noção esdrúxula de patriotismo.

Povo manipulado pela mídia xenófoba.

Hipócritas que antes elogiavam e agora caem de pau em cima dos "heróis" de outrora.

Salto alto.

Síndrome de "melhor do mundo, ninguém pode conosco".

Falsa humildade. Falso bem querer. Falsa alegria...


Sinto, mas não consigo gostar disso. Muito menos torcer por isso...


Alguns até diriam que o futebol brasileiro tem mais copas. Ora, se for por causa disso o Schummi tem cinco títulos na F-1, isso é motivo pra eu obrigatoriamente torcer por ele?

Bem, de qualquer maneira eu entendo que a seleção brasileira tem história. Assim como a seleção argentina, italiana, francesa, inglesa, alemã...

Respeito. Só isso. E um pouco menos de hipocrisia.

E até 2010

Selph - 11:15 AM

0 Comentários

sei - 03/07/2006

E é em dias assim que sinto falta da minha antiga verborragia. A mesma que continha os ENORMES erros de português e de concordância verbal (rá, como se hj em dia fosse diferente).

As idéias surgem mais devagar, em contrapartida as reclamações e a quantidade de inseguranças me engolem.

É quase como uma segunda adolescência.

Às vezes me pergunto se cada dezena de idade tem lá suas crises...

Mas, como já alardearam anteriormente, intempéries são terreno favorável para a dita escrita.

No entanto, quero fugir da condição de escrever como se eu fosse um funcionário publico...

Ê modorra...

A gente aduba e espera pra ver o que germina no meio de tanta bosta.

(ghwauha!)

Selph - 1:50 AM

0 Comentários

planeta bola (o mundo gira...) - 01/07/2006


30 de junho de 2006:

Auf Wiedersehen Argentinien !

1 de julho de 2006:

Au revoir Brésil !




Agora virou Eurocopa...

Viva Portugal, ora pois!

Selph - 7:05 PM

0 Comentários