<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quimeras

No meu segundo grau eu vivia emparedado por espinhas, timidez e mutismos. Não era raro as pessoas me considerarem estranho, embora na maior parte do tempo eu não ligasse pra isso.

De tanto em tanto, todo adolescente é meio filosofo. Até os mais fúteis. E por filosofia entenda a ação de ficar pensando, pensando, pensando... (praticidade nula)

... até que, dentre tantos pensamentos, vc percebe que todo o tempo que gastou pensando era oriundo de apenas uma atividade: observar.

Ou melhor, urubservar.

E nesses anos de urubservação, notei que um dos motes da idade era aparecer, atrair a atenção, se destacar em algo.

Na escola era assim. Ou vc era o mais bonito, o mais gostoso, o mais nerd, o mais idiota, o mais feio, o mais sarcástico, o mais irônico, o mais enturmado, o mais desenturmado, etc.

Tudo girava ao redor dos extremos.

Mas quem não fosse de extremos?

Bem, a galera de média 5 ficava naquela de tentar fazer algo pra aparecer ou se deixar levar pela sua falta de opção. E a coisa eclodiu. Tanto que, nos últimos tempos, a quantidade de gente que fica na “neutralidade” é absurda.

A maioria gosta de quase tudo, de tudo um pouco (às vezes muito) de todas as vertentes. Seja música, comida, diversão, postura...

Moldaram e transformaram isso em personalidade. Eis os milhões.

De vez em quando, dentre uns e outros, surgem aqueles que destoam. Eureka! Diriam os que se cansam fácil da mesmice, mas tudo cai por terra ao ver que nem sempre personalidade está ligada a caráter.

Ou seja, de que adianta pixar fulano por questões de gosto e exaltar sicrano sendo este um filho da puta?

Nádegas, né?

No mais, acontece o esperado. Erguem altares para o filho da puta.

Altares que depois estarão à venda por 1,99. Nesse estágio a quantidade de filhos da puta já deverá ter crescido horrores. Nada demais, levando em conta que o mesmo povo que diz fugir da "mesmice" é o primeiro a torná-la padrão.

Olhando por esses termos, não é mais tão traumático ser média 5 como era antigamente. Ok, vamos acabar com a graça do que mais agora?

Marcadores:

Selph - 11:30 AM