<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

mcfly

Todos os dias da metade de agosto pra cá eu estou indo de carona pro trabalho. Ainda bem, pois aquela rota que passava às 5:45 da manhã era uma merda pra mim.

A minha carona me pega num bairro vizinho, distante 5 minutos de minha casa. Eu espero todos os dias em frente a um quintal imenso, repleto de árvores frutíferas e bichos de fazenda. Os donos do simpático sítio são uma família de agricultores que resolveram morar na cidade sem perder os hábitos do campo.

Depois de quase um mês esperando sempre no mesmo local, vc acaba reparando nas coisas ao redor. Decorei o horário em que o filho mais novo vai buscar o pão e lembro da cara da maioria das pessoas que passam de carro por aquela estrada.

Entretanto o que mais me chamou a atenção foi a vida social dos animais que ficam ali, soltos no quintal e passeando pela estrada junto as árvores. A maioria é galinácea, porém, tmb havia um cachorro pirento e ranzinza e um casal de patos esnobes.

Dentre os galináceos, o mais interessante era o galo dominante. Cheio de pose e vitalidade (como todo galo deve ser e aparentar) ele cantava pontualmente as 06h30min da manhã. E sempre escolhia um tronco cortado de 1,50 mts de altura pra subir e cumprir tão importante tarefa. De baixo, os outros súditos bichos observavam tão imponente ser...

...e no meio deles, havia um frangote que sempre queria estar ao lado do galo e se possível roubar algumas galinhas deste. Obviamente nunca teve chance, inúmeras foram as vezes em que presenciei o galo correndo atrás do pobre garnisé.

Até a semana passada.

Na segunda, por algum motivo misterioso, o galo não subiu no horário. Estava atrasado.

Na terça tmb não. O garnisé olhava pro tronco cortado com um brilho nos olhos.

Quarta feira todos viram e ouviram um novo mandante do pedaço. Sim, o galinho marrento subiu no tronco e começou a cantar. Fino e sem força, porém deu conta do recado. Creio que percebendo que não agradou muito e que precisava melhorar, o novo "rei do terreiro" achou que precisava de um local mais alto para que todos o vissem. E ouvissem.

E assim foi. Na quinta ele estava num galho mais alto ainda. E se esforçava pra chamar a atenção.

É curioso observar que até no reino animal, toda adolescência clama por atenção. E sempre que o faz acaba dando em merda. Hunpf! E adolescente vive fazendo merda...

Sexta feira o garnisé inventou de subir na copa da arvore mais alta do quintal. Cantou, cantou e quando achou que já estava bom (geralmente são 3 vezes seguidas), o infeliz viu que não sabia como descer dali.

Olhava pra galinhas: "cóó...", olhava pro cachorro: "cóóó...." e até pra mim: "cóóóó...."

Coitado.

Talvez ele estivesse com medo de terminar igual ao galo. Sim, depois eu descobri que o digníssimo tinha sido comido. Como eu sei? Bem, um monte de penas mais uma cabeça com a crina vermelha na lata de lixo, eram bons indícios...

O fato é que isso deixou o pai da família puto devido ao barulho. Que acabou se estendendo por mais 15 minutos. Até ele apanhar a espingarda de chumbinho e derrubar o teenager. Até hj eu não sei se ele morreu da queda ou do chumbo.

Moral da estória?

"A intenção pode até ser boa, mas se vc não sabe torna-la real, não cante de galo"


+ detesto morais de estorias, mas na hora só me veio isso na cabeça

Selph - 5:30 PM