<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

utópico

Às vezes eu imagino como seria se existisse uma sociedade totalmente planejada.

Explico: uma sociedade em que tudo, eu digo absolutamente TUDO (cultura, sexualidade, educação, sistemas de governo, gostos, etc.) tivesse sido pensado antes e feito visando objetivos já conhecidos.

Essa sociedade daria certo?


sociedades perfeitamente planejadas: falha


sociedades perfeitas geneticamente: falha


sociedades perfeitas virtualmente: falha


Apesar de serem obras de ficção (que ironia!) todos estes filmes partem do principio da não conformidade do ser humano para com o ambiente, por mais perfeito que ele possa parecer.

Acredito que a "perfeição" nunca será atingida ou vislumbrada por nós, pois somos essencialmente diferentes uns dos outros no que diz respeito a conceitos sobre excelência. Logicamente me refiro a vida social, mas isso pode ser visto em outros quesitos tmb.

O maior exemplo disso foi a queda do Comunismo.

De grosso modo, o Comunismo (ou Socialismo, seja lá como vc o quiser chamar) parte do principio que o ser humano é bom com o seu semelhante sem esperar nada em troca. Sei que por aí existem almas iluminadas que conseguem aplicar isso a vida diária, porém, em se tratando de massas, as minoria não tem efeito relevante.

Logo, toda a ideologia se perde. Não que o ser humano seja de natureza democrática, mas esse tipo de visão é uma corrente de aço mais apropriada pra nos prender.

Um exemplo de como a "perfeição" é inatingível ou até mesmo perigosa, é o caso da China Antiga.

Historiadores descobriram que a sociedade chinesa de antigamente tinha chegado a um nível de excelência tão grande que não tinha mais o que fazer.

Então como é de praxe começou a perder tempo nas entrelinhas.

Desenvolveram um manual com centenas de páginas ensinando todas as maneiras de segurar um leque. Coisa útil não?

O fato é que o Império entrou em colapso. Ergueu uma muralha para se isolar dos inimigos (e do mundo) e só voltou a aparecer séculos mais tarde. E quando voltou, retornou o seu governo com um sistema (ó surpresa!) comunista.

Será esse o destino das nações que buscam tão maniacamente a excelência?

Abre o olho EUA.

Pra mim o ser humano parte do principio do grupo, sempre e quando este respeitar a sua unidade pessoal e a mantiver intocada. Basta haver algum deslize e pronto: estão abertas as portas da anarquia.

Anarquia que como vcs devem saber, não necessariamente tem a ver com violência ou destruição. Quer dizer: apenas seguir sua própria lei. Sem governos ou leis prescritas.

Entretanto, governo, ou melhor, metas são necessárias.

Metas que levem a "perfeição"? Não creio.

Governos são necessários sim. Mas respeito à diversidade é fundamental.

Pois é ela quem garante alguma liberdade nesse caldo todo.

Um exemplo bem idiota: digamos que uma sociedade tenha seu ouvido musical totalmente direcionado para Kelly Key ou Britney Spears. Desesperador?

Certamente, mas eu aposto as minhas fichas que se essa sociedade for mente aberta e diversificada, um dia eles irão parir um Chico Buarque.

...ou um Caetano, ninguém é perfeito.

Selph - 8:29 AM