<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

amiguinho



Alguém lembra desse carinha?

Sim, era um desenho. Ou melhor, um desenho-filme já que apenas o personagem principal era desenhado, o resto eram atores de carne e osso.

Pumuckel era um menino doidinho (na verdade, um pequeno duende peralta) com cabelo vermelho espetado e calça pula-brejo. Além de morar numa caixa de fósforos

Sim, era direcionado para o publico infantil.

Mas não, a sua origem não era infantil.

Esse seriado alemão conta a estória de um velhinho que morava na sua loja de artesanato e como se sentia muito só, acabou dando vida a essa figura de cabelos vermelhos que morava em sua mente.

Ou seja, um produto da solidão de um senhor que no fim da vida tem como companhia apenas um lapso de sua própria imaginação.

Soa amargo? Talvez, mas depois de uma certa idade as pessoas se apegam mais as coisas simples.

E o seriado mostrou bem isso, tanto é, que depois de um tempo, Pumuckel pula do inconsciente do velhinho e vai pro mundo real.

O que parece é que a fé que o senhor tinha nele era tão grande que ele se tornou real.

E apronta todas com os clientes da loja de artesanato dele.

É..


Uma pena que isso seja apenas ficção.

Coisas assim me fazem lembrar de como o meu falecido avô gostava de contar suas estórias sobre pescarias, caçadas e coisas do mato. Pena que tão poucos se dispunham a ouvir...

Talvez ele tmb tivesse um amigo imaginário. Mas na verdade o que ele precisava mesmo era de mais contato com pessoas de carne e osso.

E eu fico aqui, imaginando quantos pumuckeis devam existir por aí...

Selph - 4:10 PM