<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

fora da área de cobertura

1993. Era uma tarde de julho.

Meu pai tinha chegado eufórico do trabalho. Trazia um treco escondido no bolso. Fazia volume. Cheguei até a pensar que ele tinha comprado um revólver, mas logo lembrei que ele nunca foi chegado a ter armas.

"Olha só! Lo que é a tecnologia..."

"Que é isso pai?"

"Ora, non sabe? Ahora no tengo más que usar el maldito bip, finalmente llegué al século vinti e un!"

"Não me diga que vc comprou um..."

"SI, COMPRÉ UN CELULAR!"




O bicho era quadrado, pesado, analógico e tinha uma antena de cobre da espessura de uma caneta fina. Mas era o máximo! Mesmo ficando 90% do tempo fora da área de cobertura. Marca Ericsson.

O display preto mostrava as letrinhas alaranjadas feitas de códigos simples. E ainda não tinha bina, mas vc podia obter pagando uma exorbitância.

"Que estranho..."

"Pois é, custou caro pra caralho, mas tá aqui. Depois eu passo o numero pra boçê"

A partir desse dia, sempre que meu velho conversava com alguém, dava o numero de seu celular. Não sei o pq de tanto bafafá, mas o fato é que o tempo foi passando e a tecnologia evoluindo até...

"Esse celular é muito grande, bou trocar por otro más pequeno..."

"O tal do Startek? Ouvi dizer que custa quase mil pilas!"

"La empresa bai dar de graça pros empregados que necessitem..."




Motorola Startac


...e deu mesmo.

Desta vez o serviço estava um pouquinho melhor. Já dava pra conversar por uns bons 15 minutos sem cair a ligação. Começavam a surgir as primeiras empresas de telefonia celular. Dentre elas, as que mais se destacaram foram a Amazônia Celular e a NBT (Norte Brasil Telecom) que mais tarde viria a se tornar a VIVO.

Nesse meio tempo, minha mãe tmb achou de ter um celular. Não me pergunte pq. Talvez tenha sido por ciúmes do velho ou pq ela tenha descoberto que o tal "aparelho sem sentido e supérfluo" ajudava no trabalho.

A chance só surgiu para ela (e pro resto do povão sem poder aquisitivo), quando a Nokia entrou no mercado em parceria com a Ericsson e lançou o Diga - "o celular de cartãozinho". Além de facilitar nas finanças do povo, visto que não era mais necessário adquirir uma linha fixa, a Nokia de quebra ainda investiu na mão de obra e forneceu um aparelho padronizado e de baixo custo de produção. O famoso Nokia 5125.




Nokia 5125


Ele operava na tecnologia TDMA - "Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo", ou seja, cada usuário ocupa um espaço de tempo específico na transmissão, o que impede problemas de interferência.

[é necessário ressaltar que após o surgimento da tecnologia GSM o mercado teve outro impulso igual a esse, talvez até maior, já que a utilização de chips é muito mais prática]


O Nokia 5125 ficou tão popular que surgiram diversos macetes pra personalizar o aparelho. Existia uma que permitia vc mudar o nome de exibição, um lance de NAM 1, NAM 2, etc. Bem, não lembro do código agora. Mas dava pra zoar legal com as configurações do aparelho. Falavam até em clonagem...

A partir desse ponto, os celulares deixaram de ser simples aparelhos telefônicos. Começaria aí a era dos celulares Bombril de mil e uma utilidades. Se no Nokia acima citado já tínhamos joguinhos, agenda, calendário, toques polifônicos, tudo indicava que o futuro se mostrava cada vez mais diversificado. E supérfluo.

Um dia a mamãe resolve trocar aquele "tijolo preto e desconfortável" por um modelo mais novo da mesma marca.




considerado até hj por muitos, como o melhor daquela época.


Eu acabei herdando o dito "tijolo". Foi o meu primeiro celular. Daí para a enxurrada de números e pro comportamento neurótico (quem será que me ligou? / não posso esquecer o celular em casa!) foi um pulo.

Hj, após o surgimento de outras tecnologias e operadoras, eu estou com este:




básico, sem câmera nem jogos, mas com todo o resto das frescuras


É interessante notar como hj em dia é natural vc pedir o numero do celular ao conhecer alguém. Aconteceu o contrário, agora o estranho é vc não ter celular.

Por falar nisso, gostaria de saber o que o futuro aguarda pra essa tecnologia. Já temos quase tudo: desde câmeras até acesso a Internet.

Qual será o próximo passo? Hologramas?

Tipo: "Compre já seu Nokia 9002331 Top Jedi! O único com hologramas coloridos inspirados em Star Wars e sistema de detecção via satélite"

É só esperar. Ainda vai chegar o dia em que já não poderemos mais ligar pra ninguém, visto que a telefonia será algo obsoleto. E pensar que tudo começou com isto:






A primeira chamada de um telefone celular foi realizada em 3 de abril de 1973, em Nova York (EUA), por Martin Cooper, então gerente geral da Divisão de Sistemas da Motorola


...que custava a bagatela de 3.995 doláres.

Selph - 12:45 PM