<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

egotrip

Pseudo intelectuais.

Praga comum e que cresce cada vez mais. Não que ela seja única e exclusivamente normal aos egocêntricos em excesso, pois em diversos momentos, qualquer um pode ser presa de seus instintos ególatras e narcisistas.

Normal...

Porém, a coisa desanda quando esses instintos começam a dominar o lado social da pessoa. Aí fode.

Eu falei de pseudo intelectuais, pois estes são o tipo mais batido de egocêntricos que conheço. Da simples maneira com que se portam até quando entram em discussão com vc.

Aliás, humildade passa longe nessas horas. Eu até abriria mão da humildade em favor do bom senso, mas nem isso pinta.

Sim, eu conheci alguns. E notei alguns padrões de comportamento como:


- Achar que conhecimento e cultura são
separadores sociais naturais e dividir
sua visão de mundo em castas, colocando-se,
obviamente, na superior (mesmo na absoluta
falta dos predicados supracitados);



- Ter enorme satisfação pessoal em demonstrar
que conhece mais sobre um assunto X do que
qualquer outra pessoa no recinto
(mesmo não conhecendo picas);


- Por outro lado, simplesmente não aceitar
nenhuma informação nova sobre o assunto X
de nenhuma pessoa do recinto, tudo pq não vem
das fontes glorificadas e duvidosas de onde ele tira
a sua própria informação. E, curiosamente, quando
trocar de recinto, passar a utilizar o que foi comentado
no recinto anterior como conhecimento seu, adquirido
por vias divinas;



- Ter um imenso desprezo por pessoas mais
ignorantes do que si. Mesmo que não sejam,
e mesmo que um ano antes ele fosse tão ou
mais ignorante;


- Acreditar que seus gostos são genuínos porque
ele não os adquiriu vendo televisão, e sim consumindo
e vivenciando um universo "alternativo" que é tão
massificado quanto a televisão, só não passa no
horário nobre da Globo;


Em resumo, ser arrogante, auto-importante, glorificar seu modo de vida e desprezar o resto.

E acima de tudo: alterar a sua personalidade de acordo com o ambiente em que está, porque no fundo é um merda que só quer ser aceito, mas se sente solitário pra cacete e tem algum ódio incontido da sociedade que não fica enchendo de atenção qualquer carência idiota que ele tenha.

é...

Selph - 4:15 PM