<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

em branco

.e a falta de inspiração é um mal(?)* recorrente.

.Ele se pega fazendo esboços de coisas e deixando pequeninas notas de rodapé num canto esquecido da mente.

...como frases que começam com reticências e terminam da mesma forma...

Cada página em branco do Word o instiga a imaginar o tamanho da revolução muda que se deu quando aposentaram o papel e o lápis. Ah não, este já tinha sido aposentado antes pela caneta.

O devaneio o invade pra depois ser substituído pela tecnologia, que cede lugar pra apatia, que por fim vai embora entediada.

Ele adora quando isso acontece.

Olha pra cima, olha pra baixo. Vê a torneira pingando. Vai lá e fecha.

Fecha tmb os olhos pra saber o que tem dentro da cabeça. Só vê um escuro. Fica imaginando (de olhos abertos): o que o teria levado a pensar que alguém pode enxergar o interior por meio dos olhos?

Nota que pensa muito e sente pouco. Chaplin disse isso há quase um século.

Engraçado, um palhaço mudo que proferiu uma máxima consagrada.

Ri. Percebe que o humor mais instantâneo é aquele que satiriza algo. Meio que martirizando o espírito humano. Dor é doce. Vira e mexe vc aprende a controlá-la.

E como seguindo isso a risca, ele mapeia outra possibilidade, outra matemática que o faça viver pelos próximos segundos sem pensar "o que vai acontecer nos próximos segundos?”.

Nesse ínterim, as pequeninas notas de rodapé se transformaram em gigantescos tratados e os esboços de coisas, em milhares e milhares de idéias que fogem, mas tem rabo grande pra poder pega-las de volta.

Qualquer hora ele faz isso. E o riso termina num sorriso .


* Mal pro ego, bom pro ócio. Resta saber qual agrada mais

Selph - 8:12 PM