<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

rede

Ela foi totalmente consumida pelo seu amor.

... e não sobrou muita coisa.

Apenas alguns traços da sua antiga personalidade, pequenas coisas que por mais que se moldado a sua nova ordem de vida, ainda permaneceram as mesmas no seu interior.

Mas por ficarem tão distantes da superfície, foram ignoradas.

Como todo o resto do mundo. Como as pessoas, como essa poesia mundana que surge todo dia em nossa frente.

Ela não via mais defeitos em nada. E se via, lhe parecia insignificante perder tempo com tal problema. O mundo ganhava outros tons, mais vivos, coloridos e brilhantes!



Brilhantes como as estrelas que um dia ele mostrou...

E se um dia o amor acabasse?

Não. Impossível. Ele é imortal.

Ela acreditava ter aprendido o verdadeiro sentido da vida, que consistia em amar e deixar-se consumir totalmente por tal sentimento. Não se sabe se ela estava cega ou se realmente era a única a enxergar o mundo real.

Até hoje ninguém sabe.

Fatalmente (ou naturalmente) o seu amor acabou. Passou como uma estação. No inicio ela acreditava que não tivesse sido amor de verdade, pois este, segundo lhe diziam, durava a vida inteira.

Preferiu confundi-lo com uma paixão, mas no final das contas o que lhe foi revelado era que ela ainda não sabia trabalhar com perdas...

E aqueles pequenos traços que tinham sido ignorados no inicio, agora ganhavam um importância absurda. Era tudo o que ela tinha...

Foram eles que a trouxeram de volta a superfície. Que irônico! Salva pelos esquecidos! Que conseguiram tira-la do fundo do poço onde ela os tinha jogado anteriormente.

Como de praxe, ela não se arrepende de nada.

Como de praxe, eles não tocaram mais no assunto.

Ela aprendeu a trabalhar com perdas. E todo o seu medo desapareceu...

Ela estava de volta. Carpe diem, C´est la vie, No pain, no gain, não importa!
Ela estava de volta.

E não mais sedenta pelo seu próximo encontro com Eros, nem ansiosa...

Ela não vivia mais em função dele. Agora ela estava tranqüila e serena.

Como uma cidade no outono.

E poderia até se arrepender de algum salto mais alto no futuro, mas definitivamente ela não vai esquecer...

...que possui uma rede embaixo.

Selph - 12:17 PM