<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

00

É como se o tempo conspirasse para isso

Começa com um pensamento incomum. Levando ao pé da letra, tudo o que é incomum ou não é esperado é visto como erro. De grosso modo funcionaria desta maneira. Um erro...

Um erro que por si só iria consumir-se e desaparecer. Entretanto, ele vai continuar crescendo enquanto obtiver alimento da mais reles esperança.

Na verdade ele sobreviveu pq não haviam provas suficientes do seu malefício. E à medida que o tempo passa (conspira), as possibilidades vão seduzindo cada vez mais.

Possibilidades que antes não passavam de idéias desconhecidas ou não esperadas (erros tmb) e que agora vão ganhando força. E assim inicia-se o processo de mudança.

Porém, eu o abortei no meio do caminho...

"...e como se toda a força do que eu queria sentir por alguém um dia , como se a soma de todos os corações abandonados da cidade estivesse aqui presente..."

...o processo acabou.

Restou o nada, o zero, o mundo incompreensível das infinitas possibilidades.

Os matemáticos estão realmente certos em afirmar que ninguém consegue definir o que é o zero. Pois o zero é o valor mais complicado de se obter, já que parte do princípio da não-conformidade. Da oscilação eterna

E é assim que as coisas ficam sempre. Nas infinitas possibilidades...

Selph - 2:56 PM