<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

fantasmas

Image hosted by Photobucket.com


- andando pelas ruas num fim de tarde eu percebi que toda cidade tem os seus ecos -

- vozes que ainda vibram nas esquinas,
nos rostos, costumes ou olhares da sua população -

- porém, sua força maior reside nas estruturas -

- elas são a morada dos fantasmas urbanos -

- estes por sua vez, se revelam apenas quando incitados pela imaginação alheia -

- são mais comuns do que se imagina -

- ali, naquela varanda, alguma jovem pode ter sido agraciada com uma seresta -

- ...ou ter apreciado o movimento dos transeuntes -

- esta casa caindo aos pedaços já foi a morada de um rico comerciante -

- nela se falavam as mais diversas línguas -

- são tantos templos, casas, pedras moldadas... -

- e apesar de toda a ruína, elas ainda traspiram vida -

- é só prestar atenção -

- é pena que o nosso estilo atual de construção não seja tombado no futuro -

- é pena, pois nossos fantasmas poderiam contar estórias -

- estórias deste século que vai passar -

- iguais as que as almas que ficaram nas construções de outrem, nos contam -

- pois as vozes não são uma constante inerte, ao contrário do tempo -

- elas se movem, pelo vento das esquinas, pelo calor do fim do dia, no silêncio do aglomerado -

- eu os ouço -

- e ouço -

- e ouço... -


Image hosted by Photobucket.com

Selph - 9:54 AM