<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

pqna...

As palavras fogem de mim nos momentos em que mais preciso delas.

O que dizer quando o que se tem gravado no coração não tem tradução?

Que palavras usar? Ah! Quisera eu ter o dom dos poetas! No entanto, a residência da maioria deles (dos mais brilhantes) é a melancolia. Sendo assim, resultará impossível pra mim, tentar explicar por meios poéticos o que me ocorre...

...pois a melancolia, pelo menos por agora, não está mais presente.

Admito que no passado eu cheguei a amaldiçoar a minha estrela por tantas desilusões.

A verdade é que eu era um egoísta que só enxergava o meu próprio sofrimento (às vezes tão banal...) e que não queria acreditar nas chances que poderiam ocorrer no simples momento em que eu tentasse.

Vi que, por mais que eu tenha um caminhão de teorias e exemplos, só aprendo algo (e consequentemente, acredito) quando faço isso acontecer pelas próprias mãos.

Da forma mais literal possível. Cabeça dura mesmo.

Muitas idéias minhas mudaram, outras permaneceram, e agora compreendo que eu só enxergava o lado negro, pois este me era mais conveniente no momento.

Felizmente, a realidade é melhor das drogas. E a instabilidade de tudo é o que torna certas passagens mais dignas de serem vivenciadas.

Foi o que aconteceu quando te conheci.




Pqna...

...como já te disse várias vezes e não canso de repetir: a sua sutileza e seu estilo incomum me chamaram demais a atenção.

Agora as coisas começam a parecer mais claras. Talvez eu chegasse a essa conclusão mais cedo ou mais tarde, com ou sem a sua presença, porém... Fico feliz por ter sido com vc.




Eu não estava perdido. Eu acreditava estar. O coração não batia, pelo simples fato de eu não acreditar nele.




Vc já viu como se faz o fogo artesanal, pqna?

Já deve ter visto. Ou nos desenhos, ou em algum filme/documentário sobre a Idade da Pedra. O carinha lá pega dois gravetos secos e começa a friccionar um no outro. E frick,frick, frick!

Infelizmente, muitas vezes a única coisa que ele conseguia era quebrar os palitos e ficar com fome por não ter obtido o fogo para cozer o alimento. Vc deve ter reparado que para a primeira faísca surgir é necessário um esforço tremendo, além de paciência e sorte!

Então...

Com o meu coração foi assim tmb. Numa alusão um tanto quanto esdrúxula, eu diria que ele era formado pelos dois palitos secos e pelo centro da suposta fogueira.

Passei muito tempo friccionando-os e nada. Nem uma faísca sequer... Até que de tanto tentar vc acaba percebendo que tem que ajudar no processo. Foi o que eu fiz. Resolvi me munir da paciência e dar o meu voto de esperança.

Sim! A fogueira vai dar certo!

Temos todos os ingredientes e instrumentos, temos até uma certa vivência, pq não?

E é assim que eu me sinto agora, queimando as primeiras faíscas. Se vão durar ou não, isso não importa. O que importa é que elas estão lá. E são por vc.

Queimaremos juntos. Por um instante eterno.




Natural assim.


Simples assim

...de maneira sorrateira.


Ou explícita.

E isso vale a pena. E milhares e milhares de viagens.



Besos, mi pequeña...

...do seu numero ordinário, desligadinho, mas cheio de saudades.

7

Selph - 6:55 PM