<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

idolatrados

Ídolos na música. Comuns a grande maioria. Eu gosto de todos eles, mas de vez em quando vejo algumas jocosidades nas suas músicas. Fatos que passam em branco devido ao gigantesco numero de "paga paus" que existem para cada um deles


***


Rock (ou roque)



“Somos quem podemos ser / Sonhos que podemos ter”


Eu sou um elefante roxo com bolinhas amarelas. Ora Sr. Gessinger! É claro que nós só podemos ser quem somos, mesmo pq se formos ser o contrario não estaríamos sendo de verdade coisa nenhuma e... AHH!!! Chega! Algumas letras dos EGHW são um ranço pseudo existencialista escroto de tão enroladas e pretensiosas...

E olha que tem algumas legais. Quanto a segunda estrofe, bem, sonho é sempre uma parada utópica, então nem vem com essa de que “podemos ter”. É claro que podemos! Seu gaúcho de trancinhas! Sonhos são justamente pra isso! Pra extrapolar de vez! Agora se vc está falando de sonhos realizáveis seria melhor trocar a palavra por “projetos” ou “metas”




“É preciso amar... áár!! As pessoas como se não houvesse amanhã / Pq se vc parar... áár! Pra pensar... / Na verdade não há... áá!”


É claro que é preciso.

Mas... como se não houvesse amanhã?

Pense bem: Se amanhã vc estiver atravessando a rua e vier um playboy bêbado e ter atropelar, hum... finito né? Então o mundo acaba pra vc...

Consequentemente o “amanhã” tmb não existirá mais. Mas só pra VC. O mundo continua e sempre vai haver um “amanhã”. Nem que seja pro cachorro...

Até se acontecer um guerra nuclear ou BIG BANG ao contrário e formos sugados pra puta que pariu, ainda assim vai existir um “amanhã”, pois se levarmos em conta o fator TEMPO (e ele nunca pára, já dizia um redundante Cazuza) o amanhã vai existir para todo o sempre. Amém!

Mas é claro... o Sr. Manfredini se referia aos reles humanos e sua ânsia egoísta. Ainda bem! E parando pra pensar como o autor propõe, chegaríamos a conclusão de que a estrofe acima é de um egoísmo tão grande que chega a ser agradavelmente humana!

Daqui a pouco eu já vou estar citando a Pitty em “Semana que vem” então é melhor parar por aqui...

MPB (Musica populista brazuca)




“Vc é linda... mais que demais / Vc é linda sim!”


Nossa. Deve ser mesmo!

Odin... custava dizer só que a moça era bela? “Mais que demais” Aff... Precisava dessa redundância imbecil?

Linda já um adjetivo máximo

Tipo: “Vc não é apenas bonita, vc é LINDA!”

Mas não! É necessária a constatação do óbvio (“vc é linda sim”), e tudo pra que? Pra dar um ritmo a melodia. Ritmo que poderia ser conseguido se o autor retirasse a sua fudida bossa e adicionasse um pouco de simplicidade as suas letras. Mas o que esperar de um cara que rimou “Etâ” com “Tieta”? E tem gente que ainda o chama de gênio...

As mulheres dirão: “Ah... Mas ficou lindo!”

É... mais que demais... pff....




“Vamos fugir / Pra outro lugar”


Eita! Maconha da boa!

Se vc vai fugir, com toda a certeza vai ser pra outro lugar. Meio óbvio não? Além do que está implícito na ação.

Vai saber... Quem sabe os discípulos de Gil Rasta filhote de Gandhi já estivessem cansados de fugir sempre pro mesmo lugar...

"Leave me alone! Pra poder puxar um baseadinho... leave me alone!"

Pagode (fundilho de quintal)




“Deixa a vida me levar (vida leva eu)”


Mesmo se vc se revoltar;
Mesmo se vc se acomodar;
Mesmo se vc beber até acetona;
Mesmo se vc agradecer a Deus;
Mesmo se vc estiver na merda;
Mesmo se vc “ir levando”;

E mesmo se isso tudo não acontecer...

A vida te leva, Zeca. Não é preciso pedir...

Axé (Saravá!)




“Poeira / Poeira / Poeira / Levantou poeira”


Ainda bem. Pensei que tivessem levantado merda.

Odeio expressões formadas, mas como sou idiota o bastante para usa-las, então relevo

Quanto a música. Ahnn... O que falar de tal merda obra-prima?

Poderia dizer que ela esqueceu de falar: “Levanta e dá a volta por cima”

Que tem um significado secreto que é o de levantar a moral do brasileiro nas horas difíceis. Ecos desses versos são escutados atualmente em qualquer lugar: praias, estádios com times perdendo, Câmara dos deputados, enfim...

...sempre com o resultado nulo.

Canções de amor sempre soam fúteis pra quem não está apaixonado. Agora quando juntam amor/carnaval/rima pobre, o resultado é no mínimo broxante.

Mas não pra um país inteiro que se amarra em sacudir poeira. Deve ser por isso que ninguém vê mais porra nenhuma...

Brega (miúsic)




“Eu tenho tanto pra lhe falar
Mas com palavras não sei dizer”


Adivinha só. Ele falou tudo o que queria no resto da música

E mais: com palavras

Eu queria ver ele falar com gestos. Talvez não role, já que pra falar são necessárias palavras, mas pra se comunicar os gestos dão conta

Mas tudo bem, ficaria feio: “Eu tenho tanto pra lhe comunicar, mas com palavras não sei dizer”, né?

Tudo pelo amor! Já dizia o portuga: “Todas as cartas de amor são ridículas”

Mas pq será que o amor tem que tornar os seres megalômanos? (“Nem mesmo o céu, nem as estrelas / Nem mesmo o mar e o infinito / Não é maior que o meu amor / Nem mais bonito”)

Talvez não seja sempre assim. Talvez seja só uma característica do brega que impera nos sentimentos das pessoas e as tornam...ridículas?

Não sei...


***


Mas sei que existem maneiras menos:

pseudo existencialistas
egoístas
redundantes
óbvias
cômodas
broxas e
bregas...


...de fazer música. Felizmente.

Selph - 11:37 AM