<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d10210114\x26blogName\x3din+loco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://selph.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://selph.blogspot.com/\x26vt\x3d-2414873366062592404', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

mama

Eu sei da sua dor...

Sei das suas preocupações

Sei que às vezes eu pareço um alienado...

...desleixado e cínico

Sou sim, sou tudo isso e mais outras características que você pode definir

Mas só você. Só a sua opinião importa.

Não sei em que circunstâncias você poderia definir essas minhas "características" como qualidades ou defeitos.

O veredicto final é seu.

E apesar de eu alardear por aí que não conheço o Amor

A minha afirmativa se torna falsa quando me refiro a família. Especialmente a você.

Nunca disse isso pessoalmente. Tinha vergonha, ficava sem jeito, achava piegas

Putz! E quantas vezes eu fiquei com vontade de falar...

Seja nas horas tristes, alegres e até apáticas.

Pois então eu não quero esperar mais. Te amo!

Muito... [Não repare estou ficando vermelho agora :)]

É o efeito da vergonha, timidez, falta de jeito e todas essas coisinhas pequenas que você sabe que o seu "pululeco" têm.

Olha mãe, eu não sei se vou ter coragem de te entregar isto.

Creio que vou posta-lo no blog. É mãe, no blog. O quê? Não sabe o que é um blog? Ah! Blog é uma espécie de página pessoal. Eu a uso pra escrever minhas leseiras e conhecer gente. E quer saber? Conheci muita gente legal por aqui...

Até vc já conheceu uma delas. Na verdade duas...

Bem...

Queria te dizer mais uma coisa. Er... sabia que escrever é muito mais fácil que falar? Hehehe, acho que sim, pois então, eu sinto que é bem melhor verbalizar as coisas por aqui do que pessoalmente.

Então...

Tipo:

Eu te admiro muito. Mas não só por você ter me agüentado durante 9 meses ou ter me limpado, alimentado e criado até hoje. Isso, se me permite dizer, é um instinto que toda mulher tem. Tá certo que algumas mais do que outras (o seu caso por exemplo), mas de qualquer maneira é um lance que é desencadeado pelos hormônios e tal (não sei direito, gazetei todas as aulas de Biologia, hohoho!)

Mas sim. Eu te admiro muito. MESMO.

Admiro a pessoa, a mulher, a amiga.

Admiro aquela menina linda, branquinha e de cabelos castanho claro que é super inteligente. Que tem um caráter forte, mas que não faz questão de mostra-lo a toda hora. Que é capaz das maiores renúncias no que diz respeito a sua integridade, sua dignidade e outras qualidades tão presentes em você.

Tudo isso pra manter a harmonia na família, mesmo que capenga, mas harmonia.

Admiro tudo isso. Admiro só não, AMO (olha só, já estou ficando mais a vontade pra dizer isso)

Porém, apesar de tudo isso. Apesar de ter citado as suas qualidades perante a familia.Te enxergo como um ser individual. E é daí que provém todo o meu respeito, admiração e amor.

Pois todas essas virtudes já nasceram com você e isso já é mais do que motivo pra eu sentir orgulho...

...até o fim da minha vida, que não sei se vai ser curta ou longa...

...até o fim dos tempos. Pra você e pra mim.

Do seu filho mimado, paranóico e sincero.



Seby


Buenos Aires, 1982

Selph - 9:09 AM